défice

Impostos explicam dois terços do crescimento da receita do Estado

Teodora Cardoso. foi substituída por Nazaré Costa Cabral. Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA
Teodora Cardoso. foi substituída por Nazaré Costa Cabral. Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Excedente de 0,7% até ao terceiro trimestre ficou a dever-se em grande parte à receita. Saldo no final do ano ainda pode ser melhor que o previsto.

“Um desempenho sem paralelo na série estatística trimestral desde 1995”. É assim que o Conselho das Finanças Públicas (CFP) classifica o resultado orçamental conseguido até ao terceiro trimestre do ano passado, quando o saldo das administrações públicas atingiu um excedente de 0,7% do produto interno bruto (PIB).

A justificar este desempenho está o forte contributo da receita, sobretudo dos impostos e contribuições sociais, acima da previsão do Ministério das Finanças (MF). “A receita das administrações públicas (AP) registou um crescimento homólogo acumulado de 5,4%, acima do estimado pelo MF para 2018 (4,9%). A receita fiscal e contributiva foi responsável por cerca de 90% desta evolução”, refere o relatório sobre a Evolução Orçamental das Administrações Públicas até setembro de 2018, divulgado esta quinta-feira.

O CFP sublinha que “o ritmo de crescimento dos impostos diretos (6,3%) e dos impostos indiretos (5,9%) acima do mais recente objetivo anual estabelecido pelo MF para 2018 justificou dois terços do crescimento da receita das AP”, ou seja, estamos a falar de impostos como o IRS, IRC, IVA, imposto sobre tabaco ou sobre os produtos petrolíferos.

Do lado da despesa, o ritmo de crescimento abrandou no terceiro trimestre face aos anteriores, por duas vias. Primeiro, pela recapitalização do Novo Banco e pela execução de garantias relacionadas com os lesados do BES, ocorridas no segundo trimestre. E em segundo, devido à “alteração do modelo de pagamento do subsídio de Natal”, que em 2017 foi pago em duodécimos e em 2018 o pagamento foi integral no quarto trimestre. Ou seja, no final do ano, a despesa deve aumentar de novo. De resto, a instituição liderada por Teodora Cardoso refere que, tirando esse efeito do subsídio de Natal, “única rubrica de despesa que registou uma diminuição homóloga foi a relativa aos encargos com juros.”

Centeno pode ter melhor resultado que o esperado

O Conselho das Finanças Públicas insiste que o défice público deste ano deve ficar em 0,5% do produto interno bruto (PIB), abaixo da estimativa do governo que aponta para 0,7%. Mas este valor ainda pode baixar mais, pelo menos, se nada de extraordinário acontecer.

“Afigura-se possível que a estimativa para o saldo possa situar-se acima deste valor, caso se verifique, no último trimestre, a recuperação integral da garantia concedida pelo Estado ao BPP, uma vez que a arrecadação do remanescente implicaria um impacto favorável adicional de 0,1% do PIB”, ou seja, um défice de 0,4%, partindo dos pressupostos assumidos pelo CFP.

Mas há mais fatores identificados pelo Conselho das Finanças Públicas que poderão permitir a Mário Centeno um novo brilharete com as contas. Entre eles contam-se “o crescimento da receita fiscal, acima do previsto na estimativa das Finanças; um nível mais baixo de despesa com prestações sociais em dinheiro; as operações anuais relacionadas com o sector financeiro refletidas no segundo trimestre” e por fim “as despesas de caráter extraordinário ocorridas no último trimestre de 2017, mas que não se repetirão em 2018, num montante total de 170 M€.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Lisboa,  29/09/2020 - Ursula Von der Leyen, Presidente da Comissão Europeia.
(Paulo Alexandrino/Global Imagens)

Ursula von der Leyen. “Portugal é único e tem agora oportunidades maravilhosas”

Portugal's Prime Minister Antonio Costa speaks during presentation of the European and Portuguese Recovery and Resilience Plans, at Champalimaud Foundation, in Lisbon, Portugal, 29 September 2020. Ursula Von Der Leyen is in Lisbon for a two-day official visit. MÁRIO CRUZ/LUSA

Portugal recorrerá só a subvenções. Empréstimos só quando situação melhorar

ANTONIO COTRIM/ LUSA

Von der Leyen: Instrumento “SURE é um escudo para os trabalhadores e empresas”

Impostos explicam dois terços do crescimento da receita do Estado