incêndios

Incêndios.BE quer que inquérito esclareça ‘confusão’ da contratação de material

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins. PAULO NOVAIS/LUSA
A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins. PAULO NOVAIS/LUSA

Governo abriu inquérito sobre contratação de material de sensibilização para incêndios, após notícias sobre golas antifumo com material inflamável

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, disse hoje esperar que o inquérito anunciado pelo Governo à contratação de material de sensibilização para incêndios possa ajudar a perceber a “confusão do caso”.

“O mais importante é que o ministro da Administração Interna tenha anunciado o inquérito para nós percebermos toda a confusão que há neste caso, porque precisamos que as populações tenham as maiores das confianças em tudo o que é feito para a sua segurança na questão dos incêndios”, comentou.

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, determinou a abertura de um inquérito urgente sobre contratação de material de sensibilização para incêndios, na sequência de notícias sobre golas antifumo com material inflamável distribuídas no âmbito do programa “Aldeias Seguras”.

Falando aos jornalistas em Amarante, onde hoje visitou o Festival Mimo, a dirigente do BE insistiu que “tudo o que foi dito neste caso foi bastante confuso e é difícil de compreender”, defendendo que “nestas questões [de proteção civil] todo o cuidado é pouco”.

“É preciso ganhar sempre a confiança das populações para todos os mecanismos de proteção”, reforçou.

Catarina Martins apelou, por outro lado, a que se mantenham as negociações entre os sindicatos dos motoristas de transporte de mercadorias perigosas para que seja possível evitar a greve.

“O apelo que nós fazemos é que possa existir uma negociação séria, uma negociação que proteja os interesses dos trabalhadores, que vá ao encontro das suas expetativas. Esperamos que esse diálogo possa acontecer até ao momento da greve”, indicou, acrescentando:

“O apelo que nós fazemos é que possa existir uma negociação séria, uma negociação que proteja os interesses dos trabalhadores e que vá ao encontro das suas expetativas. Esperamos que esse diálogo possa acontecer até ao momento da greve”.

A coordenadora do BE disse compreender as razões dos motoristas, “porque fizeram um acordo com a sua entidade patronal para uma valorização salarial que aparentemente [aquela] agora não quem cumprir”. Recordou, no entanto, a necessidade de serem acautelados os serviços mínimos.

Catarina Martins saudou o anúncio dos sindicatos no sentido de que irão cumprir os serviços mínimos se a greve for uma realidade.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

1400 empresas já pediram para aderir ao novo lay-off, apoios só a 28 de abril

Antonoaldo Neves, presidente executivo da TAP. Fotografia: Adelino Meireles/Global Imagens

TAP também vai avançar com pedido de layoff

Veículos da GNR durante uma operação stop de sensibilização para o cumprimento do dever geral de isolamento, na Autoestrada A1 nas portagens dos Carvalhos/Grijó no sentido Sul/Norte, Vila Nova de Gaia, 29 de março de 2020. MANUEL FERNANDO ARAÚJO/LUSA

Mais de 80 detidos e 1565 estabelecimentos fechados

Incêndios.BE quer que inquérito esclareça ‘confusão’ da contratação de material