Setor Aeronáutico

Indústria aeronáutica precisa de mais 2.000 técnicos e 200 engenheiros até 2021

Fotografia: Bruno Lisita / Global Imagens
Fotografia: Bruno Lisita / Global Imagens

Nos últimos cinco anos, Portugal formou mais de 2.000 quadros técnicos e 300 engenheiros que atualmente estão a trabalhar no setor aeronáutico.

A indústria aeronáutica, espacial e da defesa vai precisar de mais 2.000 técnicos qualificados e de pelo menos 200 engenheiros nos próximos três anos, alertou esta terça-feira o diretor-geral do cluster do setor.

“Nos últimos cinco anos, Portugal formou mais de 2.000 quadros técnicos e 300 engenheiros que estão a trabalhar neste ‘cluster’, mas a indústria aeronáutica, espacial e de defesa estima que seja necessário formar mais 2.000 novos técnicos qualificados e mais 200 novos engenheiros nos próximos três anos”, disse o diretor-geral da AED Portugal – Aeronautics, Space and Defence Cluster, João Romano, num encontro esta terça-feira com os jornalistas em Lisboa.

Para os próximos cinco anos, os objetivos estratégicos definidos para este cluster passam por “duplicar a contribuição dos três setores [aeronáutico, espaço e defesa] dos atuais 1,2% para 3% do Produto Interno Bruto (PIB) português, duplicar o atual esforço de inovação no seio do ‘cluster’ e tornar visível a nível internacional a marca ‘Portugal aeroespacial'”, salientou o responsável.

O presidente da AED Portugal, José Cordeiro, considerou que o aumento da contribuição da indústria deste cluster para o crescimento da economia “é um objetivo exequível”, justificando, nomeadamente, que o aumento do tráfego de voos comerciais vai obrigar a duplicar o parque de aviões nos próximos 20 anos.

“Neste momento, o mercado europeu [em termos de passageiros] está a crescer mais de 10% ao ano e mercado asiático mais de 45%, pelo que o parque de aeronaves vai duplicar nos próximos 20 anos”, advertiu, lembrando que ao nível do fabrico de aeronaves há novos jogadores, nomeadamente a China.

Na Europa há atualmente falta de 20.000 pilotos e em Portugal cerca de 2.000, uma situação de constitui “um desafio” em termos de formação, salientou o responsável.

Por seu lado, João Romano afirmou que Portugal tornou-se numa “geografia apetecível”, próxima da Airbus e com “condições de mercado muito competitivas” e que a aquisição da Bombardier pela Airbus e da Embraer pela Boeing “veio bipolarizar o mercado”, o que poderá “potenciar a capacidade nacional”.

Mas advertiu que “as empresas portuguesas para crescerem em valor têm de cooperar em rede”.

Na nova corrida à exploração do espaço, Portugal, disse, por sua vez, José Rui Marcelino, que é vice-presidente da AED, deve também explorar “a janela de oportunidade” que existe, tendo falado ainda da importância do aparecimento de novos serviços de comunicações, posicionamento e de observação da Terra a partir do Espaço.

Nos próximos dez anos, as empresas americanas preparam-se para lançar centenas de satélites, sendo que há uma tendência para a redução do tamanho e da massa dos mesmos, o que facilita o seu acesso ao espaço e reduz os custos de entrada.

No caso de Portugal, segundo a AED, a Agência Espacial Europeia está a fazer estudos em Santa Maria, nos Açores, para que possam vir a ser criada uma plataforma comercial de lançamento de microssatélites, pois “existem poucos sítios” na Europa com as condições desta ilha.

Sobre o investimento na área da Defesa, a AED entende que se registaram alterações substanciais a nível geoestratégico com o aumento da tensão entre o Ocidente e o Oriente (Síria, Turquia, Irão) e que deve também haver um reforço da vigilância das fronteiras terrestre e marítima da União Europeia.

Fundada em 2016, a AED é uma associação sem fins lucrativos que tinha 56 associados em 2017, entre pequenas e médias empresas, organismos públicos, grande indústria e universidades, mas que vai chegar atingir os 80 associados em julho.

Os proveitos da AED estimados para este ano rondam os 385.000 euros, o que compara com 240.000 euros no ano passado.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
fitch rating dívida riscos políticos

Taxa de juro da nova dívida cai para mínimo histórico de 1,8% em 2018

Fotografia: REUTERS/ Carlos Barria

China põe marcas de luxo a bater recordes

notas

Crédito cresce nas famílias mas ainda encolhe nas empresas

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Indústria aeronáutica precisa de mais 2.000 técnicos e 200 engenheiros até 2021