Construção

INE. Custos de construção aceleram para uma variação homóloga de 0,9% em maio

A reflorestação é uma das medidas de compensação no âmbito da construção das barragens de Daivões, Gouvães e Alto Tâmega. Fotografia: Pedro Granadeiro/Global Imagens
A reflorestação é uma das medidas de compensação no âmbito da construção das barragens de Daivões, Gouvães e Alto Tâmega. Fotografia: Pedro Granadeiro/Global Imagens

Taxa de variação mensal do ICCHN foi de 0,9% em maio, com o custo dos materiais a registar 0,1% e o custo da mão-de-obra a aumentar 2,1%.

Os custos de construção de habitação nova aumentaram 0,9% em maio, mais 0,6 pontos percentuais do que no mês anterior, de acordo com os dados hoje divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Segundo o INE, o preço dos materiais e o custo da mão-de-obra apresentaram, respetivamente, variações de 0,6% (0,8% no mês anterior) e de 1,4% (-0,4% em abril) face ao período homólogo.

O custo da mão-de-obra contribuiu com 0,6 pontos percentuais para a formação da taxa de variação homóloga do Índice de Custos de Construção de Habitação Nova (ICCHN).

Já a componente dos materiais contribui com 0,3 pontos percentuais para a variação total do índice, refere o INE.

Em termos mensais, a taxa de variação mensal do ICCHN foi de 0,9% em maio, com o custo dos materiais a registar uma variação de 0,1% e o custo da mão-de-obra a aumentar 2,1%.

A componente de mão-de-obra contribuiu com 0,8 pontos percentuais para a formação da taxa de variação mensal do ICCHN, sendo a contribuição dos materiais de 0,1 pontos percentuais.

O ICCHN é uma estatística derivada que tem como objetivo medir o custo de construção de edifícios residenciais em Portugal.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
coronavirus lay-off trabalho emprego desemprego

Empresas com quebras de 25% vão poder pedir apoio à retoma

Lisboa,  29/09/2020 - Ursula Von der Leyen, Presidente da Comissão Europeia.
(Paulo Alexandrino/Global Imagens)

“Temos de ser cuidadosos em relação à dívida, no longo prazo ela terá de descer”

ANTONIO COTRIM/ LUSA

Governo aposta no clima e competências para recuperação – mas sem empréstimos

INE. Custos de construção aceleram para uma variação homóloga de 0,9% em maio