OE 2016

INE. Défice público do primeiro trimestre foi 3,2%

Mário Centeno. Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA
Mário Centeno. Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Défice do primeiro trimestre foi de 1,4 mil milhões de euros ou 3,2% do PIB, acima dos 2,2% previstos pelo governo para este ano como um todo.

O défice público português do primeiro trimestre foi de 3,2% do Produto Interno Bruto (PIB), ficando acima, portanto, da meta de 2,2% que o Governo tem para este ano, relevou o Instituto Nacional de Estatística (INE), que apura o indicador em contas nacionais, as que contam para Bruxelas.

De acordo com o INE, que divulgou as contas nacionais por sector institucional (Estado, famílias, empresas) relativas aos primeiros três meses do ano, “o saldo das Administrações Públicas (AP) situou-se em cerca de -1406,1 milhões de euros no 1º trimestre de 2016, correspondente a -3,2% do PIB”.

Este valor compara com um défice no mesmo trimestre do ano anterior de 5,5% do PIB (2344,6 milhões de euros), ou seja, bastante mais baixo em termos homólogos. A meta do ano passado (do anterior governo) era 2,5% para o ano como um todo e depois foi flexibilizada para 2,7%

Segundo o instituto, o desequilíbrio das contas públicas caiu de 2,3 mil milhões para os tais 1,4 mil milhões porque “verificou-se um aumento da receita total (2,3%) e uma diminuição mais acentuada da despesa (2,7%)”.

“Do lado da receita, destaca-se o aumento da receita com impostos sobre a produção e importação (9,3%), que atingiu 14,6% do PIB. Do lado da despesa são de salientar o decréscimo da despesa de capital (26,1%), decorrente sobretudo da diminuição do investimento face ao período homólogo, e da despesa com juros (11,1%)”, explica o INE. O investimento público afundou 28%, só para se ter uma ideia.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(Gustavo Bom / Global Imagens )

Englobamento agrava IRS para rendimentos ‘protegidos’ pelo mínimo de existência

(Gustavo Bom / Global Imagens )

Englobamento agrava IRS para rendimentos ‘protegidos’ pelo mínimo de existência

Salvador de Mello
( Álvaro Isidoro / Global Imagens )

Saúde não pode andar “ao sabor de ventos políticos”

Outros conteúdos GMG
INE. Défice público do primeiro trimestre foi 3,2%