INE

Centeno vai além da meta. Défice público cai para 0,5% do PIB em 2018

défice programa estabilidade legislatura orçamento
António Costa, Augusto Santos Silva e Mário Centeno. Fotografia: REUTERS/Pedro Nunes

Ajuda ao Novo Banco fez crescer o défice em 792 milhões de euros no ano passado (0,4% do produto interno bruto ou PIB).

O défice orçamental apurado em contabilidade nacional, o critério que conta para a avaliação em Bruxelas, baixou para 0,5% do produto interno bruto (PIB) em 2018, anunciou esta terça-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE). Trata-se de um novo mínimo em democracia e uma base de partida ainda mais favorável para reduzir este desequilíbrio até 0,2% em 2019.

Depois de um défice de 3% em 2017 (muito empolado pelo apoio de capital à CGD, sem esta operação seria de 0,9%), Mário Centeno, o ministro das Finanças, tinha como meta chegar a 0,7% no final de 2018.

Adicionalmente, a meta de défice para este ano de 2019 mantém-se: 0,2% do PIB, reafirmou o ministro ao INE, indica o reporte dos défices enviado pelo instituto à Comissão Europeia, ao Eurostat.

O governo conseguiu baixar ainda mais o défice face ao esperado, conseguindo acomodar, por exemplo, os 792 milhões de euros de custo com o empréstimo ao Novo Banco. Isso foi possível com uma maior compressão da despesa e um aumento reforçado da receita, sobretudo impostos.

“De acordo com esta estimativa provisória, o setor das Administrações Públicas (AP) apresentou, em 2018, uma necessidade líquida de financiamento de 913 milhões de euros, correspondente a 0,5% do PIB”, informa o instituto no mesmo reporte.

E o valor final do défice do ano passado poderá ser ainda mais baixo. É que o INE está a trabalhar numa nova base de contas nacionais, que será revelada no reporte de setembro.

“Esta notificação tem como referência a base 2011 das Contas Nacionais. A próxima (a enviar em setembro de 2019 ao Eurostat) será efetuada tendo como referência uma nova base (2016)” e que está “em preparação”.

Essa nova forma de cálculo inclui “alterações à delimitação setorial que, de acordo com a informação disponível, apontam para um pequeno efeito positivo sobre o saldo das AP em 2018”, explica o INE, sem dar mais detalhes.

Dívida baixa menos que o prometido

Já a dívida pública é que ficou acima do esperado. No Orçamento do Estado para o corrente ano, a estimativa era baixar o fardo da dívida para 121,2% do PIB, mas o INE informa que afinal ficou 121,5%

Trata-se da terceira maior dívida da Europa (a seguir a Grécia e Itália) e uma das mais elevadas do mundo desenvolvido. O endividamento global das AP tinha ficado em 124,8% em 2017.

Novo Banco, lesados do BES e SATA

Regressando às contas do défice, o INE confirma que o empréstimo concedido pelo Estado ao Fundo de Resolução (para este depois injetar no Novo Banco) foi o fator que mais pesou nas contas do ano passado.

O instituto refere que “em 2018, para além das injeções de capital concedidas a empresas classificadas no setor das AP, esta rubrica inclui ainda algumas operações registadas como transferência de capital em contas nacionais com impacto no saldo”.

A saber, os maiores custos foram:

“i) o aumento de capital do Fundo de Resolução decorrente da ativação do mecanismo de capital contingente do Novo Banco, no montante de 792 milhões de euros”;

“ii) o empréstimo e a concessão de uma garantia prestados pela Direção Geral de Tesouro e Finanças ao Fundo de Recuperação de Créditos dos investidores não qualificados titulares de papel comercial da ESI e Rio Forte no montante de 280,6 milhões de euros [os chamados lesados do BES]”;

“iii) a concessão de uma garantia pelo Governo Regional dos Açores à SATA Air Açores, no valor de 65 milhões de euros, registada como transferência de capital tendo em consideração a situação económica e financeira da empresa”.

Receita fiscal no comando

Como referido, a redução do défice em 2018 “foi sobretudo determinada pelo aumento da receita corrente, particularmente da receita fiscal e das contribuições para a segurança social, refletindo a evolução da atividade económica e do emprego”, refere o INE.

Já a despesa corrente “aumentou devido ao efeito combinado do aumento das remunerações dos empregados e das prestações sociais, exceto das transferências sociais em espécie, e da diminuição dos encargos com juros”.

“A despesa de capital, que em 2017 incluía o impacto da operação extraordinária de recapitalização da CGD (3944 milhões de euros), diminuiu, apesar da variação positiva no investimento (formação bruta de capital)”, observa o instituto.

O investimento público aumentou 11,3% (mais 402 milhões de euros), para um total de 3965 milhões de euros em 2018.

(atualizado 12h40)

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Greve de motoristas de matérias perigosas parou o país, em abril. 
(MÁRIO CRUZ/LUSA

Nova greve dos camionistas dia 12. Pré-aviso já foi entregue

Assunção Cristas e Bruno Bobone, na sede da Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa, nos Restauradores
(ANTÓNIO COTRIM/LUSA)

Cristas apela a empresários para darem mais força à oposição

Assunção Cristas e Bruno Bobone, na sede da Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa, nos Restauradores
(ANTÓNIO COTRIM/LUSA)

Cristas apela a empresários para darem mais força à oposição

Outros conteúdos GMG
Centeno vai além da meta. Défice público cai para 0,5% do PIB em 2018