INE

INE. Exportações abrandam economia para 1,7% no final de 2018

Milhares de carros parados em Setúbal à espera do fim do impasse com trabalhadores eventuais do porto. Fotografia:
Carlos Santos/Global Imagens
Milhares de carros parados em Setúbal à espera do fim do impasse com trabalhadores eventuais do porto. Fotografia: Carlos Santos/Global Imagens

INE confirma que desde o início de 2016 que o país não crescia tão pouco. Em termos anuais, PIB avançou 2,1% em 2018. Tinha sido 2,8% em 2017.

No final do ano passado, a economia portuguesa cresceu ao ritmo mais fraco em quase dois anos, condicionada pelas exportações, que estão a perder força, anunciou o Instituto Nacional de Estatística (INE), esta quinta-feira.

Segundo o INE, o Produto Interno Bruto (PIB) aumentou 1,7% no 4º trimestre de 2018 face a igual período de 2017 e está em clara desaceleração. A economia tinha avançado 2,1% no trimestre anterior.

O aumento homólogo de 1,7% é o registo mais fraco desde o início de 2016, portanto, quase dois anos.

A média anual de 2018 foi assim de 2,1%, contra 2,8% em 2017, confirma o instituto. Ainda assim o ano passado foi melhor do que 2016, ano em que a economia cresceu 1,9%.

No entanto, o crescimento anual do ano passado acabou por ficar aquém do que esperava o governo, que em outubro no Orçamento do Estado para 2019 estimou 2,3% em 2018.

O INE explica as razões do arrefecimento em 2018. Diz que a procura externa líquida [diferença entre exportações e importações] deu um contributo mais negativo para a variação homóloga do PIB face ao observado no trimestre anterior, “refletindo uma redução das exportações de mercadorias”.

Tal como noticiou também esta quinta-feira o Dinheiro Vivo, o abrandamento da economia em 2018 refletiu vários fatores, entre eles as greves portuárias que atrapalharam as vendas de automóveis no quarto trimestre.

Além disso, o turismo está a crescer, mas bem abaixo dos ritmos explosivos do passado, e isso reflete-se já nas contas de 2018.

Ainda sobre o 4º trimestre, o INE refere que a ajuda ao crescimento veio do contributo positivo da procura interna, que aumentou, “em resultado da aceleração do investimento e do consumo privado”.

Em termos trimestrais (comparação com o 3º trimestre deste ano), as coisas são um pouco diferentes. Segundo o INE, o PIB aumentou 0,4% em cadeia (tinha sido 0,3% no trimestre anterior). “O contributo da procura externa líquida para a variação em cadeia do PIB foi menos negativo, enquanto o contributo positivo da procura interna se manteve positivo mas inferior ao observado no 3º trimestre”.

(atualizado 11h30)

Fonte: INE

Fonte: INE

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Governo ganha 128 milhões de euros em receita com aumentos da função pública

Autoridade para as Condições do Trabalho

Inspetores do Estado contra “140 anos para chegar ao topo da carreira”

Fotografia: Paulo Jorge Magalhães/Global Imagens

Incentivos fiscais à inovação dão 200 milhões às empresas

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
INE. Exportações abrandam economia para 1,7% no final de 2018