Turismo

Ingleses, alemães e franceses cortam viagens a Portugal

Fotografia: Diana Quintela/ Global Imagens.
Fotografia: Diana Quintela/ Global Imagens.

Número de turistas bateu novo recorde em 2018, mas o Brexit e destinos mais competitivos estão a afastar estrangeiros de Portugal.

Menos ingleses. No ano passado, a instabilidade político-social vivida no Reino Unido foi decisiva para a quebra do número de turistas britânicos de visita a Portugal. A queda de 5,76% não surpreende, só que desta vez não vem sozinha. No ano passado, alemães, holandeses, franceses e italianos também cortaram as suas visitas a Portugal, mostra a atividade turística divulgada ontem pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

“O Algarve e o País, em geral, estão a perder competitividade para outros destinos turísticos por dois tipos de razões: o regresso da normalidade de destinos turísticos concorrentes, como a Turquia, Egito ou Tunísia e por uma segunda razão de ordem económica, que é a desvalorização da libra face ao euro, e das moedas destes países que estão a regressar à normalidade e que os torna mais competitivos em relação a nós”, explica ao Dinheiro Vivo Elidérico Viegas, presidente da AHETA, a associação que representa os hoteleiros do Algarve.

A quebra da procura pelos mercados tradicionais foi decisiva para que o número de estrangeiros em Portugal praticamente estagnasse em 2018 (+0,4%) e o turismo travasse a fundo depois de três anos de forte crescimento.

A suportar o setor estiveram os norte-americanos e os brasileiros. Embalado pelo stopover da TAP, que convida os estrangeiros a ficarem no país sem pagar mais pela viagem, Portugal viu chegarem em 2018 mais 138 mil norte-americanos. Foi um aumento de 20% face ao ano anterior que compensou o travão dos mercados europeus. Além disso, os brasileiros continuaram e chegar em força. Foram mais 74 500, um aumento de 8,6%.

Também houve mais portugueses a viajar (+3,9%), ajudando o turismo a voltar a romper o recorde do ano anterior. Feitas as contas, Portugal recebeu 21 milhões de hóspedes, mais 1,7% do que em 2017. Os proveitos totais, por sua vez, somaram 3,6 mil milhões, mais 6%, liderados pela região Norte. Mas as estadias estão mais curtas e isso refletiu-se nas dormidas registadas no ano passado, que praticamente estagnaram, com os estrangeiros a travarem (-2%) e os portugueses a evitarem maiores quedas.

É hora de realinhar prioridades, diz Elidérico Viegas. “O discurso do melhor ano de sempre continua. O problema é que a procura não foi consolidada, não se fizeram investimentos estruturantes, não houve uma valorização e requalificação de zonas turísticas degradadas”.

O governo e Turismo de Portugal têm feito uma aposta na diversificação dos destinos turísticos e na qualificação da oferta. A propósito do Dia Mundial do Turismo, Ana Mendes Godinho, com a tutela desta área, lembrou que o objetivo é “crescer cada vez mais em valor, atingindo os mercados que gastam mais e também levar a que quem vem a Portugal deixe cá mais valor, em todo o território, e levar cada vez mais a riqueza que o Turismo está a gerar a todo o território”.

O abrandamento da atividade turística refletiu-se na prestação das exportações e, consequentemente, no crescimento do PIB. A economia portuguesa avançou apenas 2,1% no ano passado, 0,2 pontos abaixo das previsões de Mário Centeno.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Base Aérea n.º 6, no Montijo, que será adaptada para a aviação civil caso aí avance a construção do novo aeroporto de Lisboa. Fotografia: Paulo Spranger/Global Imagens

Montijo: Novo aeroporto já tem luz verde definitiva

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva  (MIGUEL A. LOPES/LUSA)

Ministro defende atuação do Governo: Portugal “fará o que tem feito”

Cláudia e Paulo Azevedo
(José Carmo/Global Imagens)

Sonae “está a acompanhar com atenção e preocupação”

Ingleses, alemães e franceses cortam viagens a Portugal