35 infetados em Angola, 79 em Moçambique

Continenete africano tem 1689 mortes registadas em 40 mil casos. Mais de 13 mil já recuperaram.

A ministra angolana da Saúde, Sílvia Lutucuta, anunciou hoje cinco novos casos de covid-19, um importado e quatro por contaminação local, elevando para 35 o número total no país.

O caso importado foi captado no rastreio das primeiras 443 amostras processadas dos passageiros provenientes de Lisboa, nos dias 17 e 18 de março. Trata-se de um homem de 36 anos, da Guiné-Conacri, comerciante e residente no bairro Hoji Ya Henda Henda, em Luanda, que não cumpriu a quarentena e não forneceu os dados corretos, informou a ministra.

O doente foi encaminhado para o centro de tratamento de referência e 25 dos seus contactos diretos foram transferidos para centros de quarentena institucional, para acompanhamento e rastreio. Entre os passageiros provenientes de Lisboa, nos dias 17 e 18 de março, foram recolhidas 1018 amostras, tendo sido processadas 443 amostras das quais 442 negativas.

Os casos de contaminação local eram contactos diretos do paciente n.º 26, também proveniente de Lisboa: duas mulheres, de 42 e 34 anos e duas crianças de 4 anos e 1 ano. O doente tem igualmente relação com os três casos positivos anunciados na quinta-feira, tendo sido testados nove dos seus contactos diretos (sete com resultados positivos).

Os restantes contactos continuam a ser seguidos, indiciou a governante, acrescentando que todos os novos casos são assintomáticos.

Dos 35 casos, 11 já estão recuperados, 22 estão internados e houve 2 mortos. Encontram-se em quarentena institucional 908 pessoas, 412 casos suspeitos estão a ser investigados e 957 contactos estão "em seguimento".

Curados em Moçambique quase duplicaram

Os casos de pessoas recuperadas da covid-19 em Moçambique passaram de 10 para 18, num dia em que as autoridades anunciaram que os 91 casos testados nas últimas 24 horas revelaram-se todos negativos. "Todos os recuperados não tiveram internamento, tendo estado alguns com uma sintomatologia leve e outros sem sintomatologia", declarou a diretora nacional de Saúde Pública, Rosa Marlene, durante a conferência de imprensa de atualização de dados no Ministério da Saúde, em Maputo.

No total, desde que foi declarada a pandemia, em 11 de março, as autoridades em Moçambique realizaram 2337 testes, dos quais 79 revelaram-se positivos, sem registo de vítimas mortais. As autoridades rastrearam mais de 500 mil pessoas, há um total acumulado de 12 000 pessoas em quarentena e 1035 em acompanhamento.

A diretora nacional de Saúde Pública reforçou o apelo para o cumprimento das medidas de prevenção, alertando para o elevado número de pessoas a circularem "sem motivos essenciais" em Moçambique. "Apesar da prorrogação do estado de emergência, temos notado que as pessoas estão fora de casa. Há muita gente na rua. Por favor, vamos ficar em casa", frisou Rosa Marlene.

O número de mortes provocadas pela covid-19 em África subiu para 1689 nas últimas horas, com mais de 40 mil casos da doença registados em 53 países, segundo as estatísticas mais recentes sobre a pandemia naquele continente. Entre os países africanos que têm o português como língua oficial, Guiné Equatorial lidera em número de infeções (315) e uma morte, seguido da Guiné-Bissau (257 e uma morte), Cabo Verde (123 e duas mortes), Moçambique (79), Angola (30 infetados e dois mortos) e São Tomé e Príncipe tem 18 casos confirmados e uma morte.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou quase 239 mil mortos e infetou mais de 3,3 milhões de pessoas em 195 países e territórios. Mais de um milhão de doentes foram considerados curados.

Continente africano tem quase tantas mortes quanto Portugal

O número de mortes provocadas pela covid-19 em África subiu para 1689 nas últimas horas, com mais de 40 mil casos da doença registados em 53 países, segundo as estatísticas mais recentes sobre a pandemia naquele continente. De acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), nas últimas 24 horas o número de mortos subiu de 1640 para 1689, enquanto as infeções aumentaram de 39 018 para 40 746.

O número total de doentes recuperados subiu de 12 750 para 13 383.

O norte de África mantém-se como a região mais afetada pela doença, com 1075 mortos e 15 687 casos registados. Na África Ocidental, há 259 mortos e 10 916 infeções. A África Austral contabiliza 130 mortos, em 6380 casos de covid-19. A pandemia afeta 53 dos 55 países e territórios de África, com cinco países -- África do Sul, Argélia, Egito, Marrocos e Camarões - a concentrarem cerca de metade das infeções pelo novo coronavírus e mais de dois terços das mortes associadas à doença.

O Egito regista 406 mortos e 5.895 infetados, a África do Sul conta 116 mortos e 5951 doentes infetados, enquanto Marrocos totaliza 171 vítimas mortais e 4569 casos e os Camarões contabilizam 61 mortos e 2069 infetados. O maior número de vítimas mortais regista-se na Argélia (453), em 4154 doentes infetados. As ilhas Comores anunciaram na quinta-feira o primeiro caso da doença e, no continente africano, apenas o Lesoto e a República Saarauí continuam sem notificar casos de covid-19.

Entre os países africanos lusófonos, a Guiné-Bissau é o que tem mais infeções, com 257 casos, incluindo o primeiro-ministro no poder e mais três membros do seu Governo, e regista uma morte. Cabo Verde tem 123 casos e uma morte, e Moçambique tem 79 doentes infetados. Angola tem 35 casos confirmados de covid-19 e dois mortos, e São Tomé e Príncipe regista 18 casos positivos e uma morte. A Guiné Equatorial, que está integrada na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), mantém 315 casos positivos de infeção e um morto, segundo o África CDC.

Pandemia já matou 241 682 pessoas no mundo. Mais de 1 milhão estão curadas

A pandemia da covid-19 já matou pelo menos 241 682 pessoas em todo o mundo, desde que surgiu em dezembro na China, de acordo com o balanço da AFP, às 20:00, a partir de dados oficiais. Segundo os dados recolhidos pela agência de notícias francesa, até às 20:00 de hoje, estavam oficialmente diagnosticados 3 398 390 casos de infeção em 195 países e territórios, desde o início da pandemia do novo coronavírus.

No entanto, o número de casos diagnosticados reflete apenas uma fração do número real de infeções, uma vez que um grande número de países só está a testar os casos que precisam de tratamento hospitalar. De entre esses casos, pelo menos 1 023 900 foram já considerados curados. Nas últimas 24 horas (última contagem aconteceu às 20:00 de sexta-feira) registaram-se 6167 novas mortes e 94 645 novos casos em todo o mundo.

Os países com mais mortes associadas à covid-19 são os Estados Unidos, com 2518 novas mortes, o Reino Unido (621) e a Itália (474). No total, os Estados Unidos têm o registo de 65 645 mortes, 164 015 curados e 1 121 414 casos.

Depois dos Estados Unidos, o país mais atingido é a Itália, com 28 710 mortes e 209 328 casos, o Reino Unido com 28 131 mortos (182.260 casos), Espanha com 25 100 mortos (216 582 casos) e a França com 24 760 mortos (168 396 casos).

Entre os países mais atingidos, a Bélgica é o que tem o maior número de mortos em relação ao número da população, com 67 mortes por 100 000 habitantes, seguida da Espanha (54), de Itália (47), do Reino Unido (41) e da França (38).

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de