Xi Jinping diz que China deve escolher o próprio percurso na defesa dos Direitos Humanos

O Presidente chinês, Xi Jinping, defendeu esta quarta-feira o histórico da China na defesa dos Direitos Humanos, num encontro com a Alta-comissária da ONU Michelle Bachelet, argumentando que cada nação deve escolher o seu próprio percurso.

Dinheiro Vivo/Lusa
Presidente da China, Xi Jinping

"Através do trabalho árduo e persistente de longo prazo, a China embarcou com sucesso num caminho de desenvolvimento dos Direitos Humanos, que está de acordo com a tendência dos tempos e adapta-se às suas próprias condições nacionais", disse o governante chinês à Alta-comissária da ONU para os Direitos Humanos, que está a realizar uma visita ao país, segundo a televisão estatal chinesa CCTV.

"Desviar-nos da realidade e copiar modelos de outros países não é apenas inaceitável, como tem consequências catastróficas e, em última análise, traz sofrimento à população", argumentou.

"Continuaremos a promover a proteção dos Direitos Humanos e do Estado de direito, e a manter a ordem e a justiça social. O povo chinês desfruta hoje de direitos cada vez mais democráticos e de garantias sem precedentes", defendeu o Presidente chinês.

Bachelet está a realizar uma visita de seis dias à China, que inclui uma deslocação à província de Xinjiang.

De acordo com organizações de defesa dos Direitos Humanos, pelo menos um milhão de uigures e membros de outras minorias de origem muçulmana, estão ou foram encarcerados em campos de doutrinação naquela região, no extremo noroeste da China, e colocados sob vigilância apertada pelas autoridades.

Pequim classificou tais acusações como a "mentira do século".

Xi Jinping disse que a China está "disposta a manter o diálogo e a cooperação" no âmbito da defesa dos Direitos Humanos, mas desde que se baseiem no "respeito e igualdade mútuos" e tenham como objetivo "expandir o consenso, reduzir as diferenças e aprender e progredir mutuamente".

"O que não é necessário de todo são 'professores', arrogantes como outros países, e muito menos politizar estas questões", argumentou o chefe de Estado chinês, numa referência velada aos Estados Unidos e à União Europeia (UE), que sancionaram autoridades e entidades chinesas, no ano passado, devido às denúncias de abusos contra a minoria étnica chinesa de origem muçulmana uigur, na região de Xinjiang.

"Devemos evitar padrões duplos e parar de interferir nos assuntos internos dos outros países sob o pretexto dos Direitos Humanos", apontou o líder chinês, frisando ainda: "Temos que promover a defesa dos Direitos Humanos de uma forma inclusiva, justa e razoável".

Xi Jinping assegurou que a China vai continuar a "apoiar" os "esforços ativos" das Nações Unidas nesta questão.

Bachelet é a primeira Alta-comissária da ONU para os Direitos Humanos a visitar a China, desde 2005, após anos de negociações com Pequim sobre os termos da visita a Xinjiang.

A visita de seis dias vai focar-se nas alegações de abusos contra as minorias de origem muçulmana.

Organizações internacionais de defesa dos Direitos Humanos temem que a representante não tenha livre acesso à região e que seja usada pelas autoridades chinesas para fins propagandísticos.

Os Estados Unidos rotularam a campanha repressiva em Xinjiang como genocídio.

Pequim contesta as acusações sobre uma campanha repressiva, dizendo que os campos são centros de treino vocacional, destinados a afastar os uigures de movimentos terroristas e separatistas, numa região que foi, no passado, palco de confrontos entre os uigures e os han, o principal grupo étnico da China.

Mais Notícias

Veja Também

Outros Conteúdos GMG