Espanha deverá crescer entre 3,5% e 4% em 2017

Em entrevista ao jornal ABC, o ministro espanhol revelou ainda que a taxa de desemprego poderá ficar "abaixo dos 17%" no final do ano.

A Espanha deverá crescer entre 3,5% e 4% em 2017, superando assim a estimativa inicial do governo de 3% e os 3,2% registados em 2016, prevê o ministro da Economia espanhol, Luis de Guindos.

Em entrevista ao diário ABC, publicada este domingo, o governante garantiu que o objetivo de um défice de 3,1% em 2017 será cumprido e que no próximo ano ficará abaixo dos 3%.

Luis de Guindos revelou ainda que no segundo semestre deverá "haver uma redução histórica do desemprego" e que a taxa poderá ficar "abaixo dos 17%" no final do ano.

A concretizar-se, salientou, "conseguimos reduzir a taxa do desemprego em 10 pontos em quatro anos". O ministro acredita mesmo que, ao ritmo atual da criação de emprego, será possível reduzir a taxa para cerca de 7% em 2022.

"Há cinco anos o PIB caía quase 3%, tínhamos uma destruição de emprego muito intensa, e estávamos em plenas negociações das condições do resgate bancário" e agora o nosso país pode ostentar o "saneamento do seu sistema financeiro", frisou.

Luis de Guindos assegurou ainda, de forma categórica que o sistema de pensões "está garantido sempre que haja crescimento económico e criação de emprego" e que os salários dos trabalhadores irão aumentar tendo em conta a melhoria da situação económica.

O ministro garantiu que não é candidato à presidência do Eurogrupo, cuja nomeação perdeu em 2015 para o holandês Jeroen Dijsselbloem, e quando questionado se gostaria de ser vice-presidente do Banco Central Europeu respondeu: "O que gostaria era que o Atlético ganhasse a Liga dos Campeões no próximo ano".

 

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de