Presidente da China adverte que mundo sofrerá em caso de confronto com EUA

O Presidente chinês, Xi Jinping, disse ao hoje ao homólogo norte-americano, Joe Biden, numa conversa telefónica, que os dois países e o mundo "sofrerão" em caso de confronto entre a China e os Estados Unidos.

"Quando a China e os Estados Unidos trabalham juntos, os países e o mundo beneficiam, mas ambos os países e o mundo sofrerão se os dois países se confrontarem", sublinhou Xi, de acordo com um comunicado difundido pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros da China.

"A política dos EUA em relação à China tem causado sérias dificuldades ao relacionamento" entre as duas potências, acrescentou o secretário-geral do Partido Comunista Chinês.

Foi a segunda conversa por telefone entre os líderes das duas maiores economias do mundo, desde que Joe Biden assumiu a presidência dos Estados Unidos, no início do ano.

Em comunicado, a Casa Branca disse que os "dois líderes tiveram uma discussão ampla e estratégica, na qual abordaram áreas em que os interesses convergem e áreas em que os interesses, valores e perspetivas divergem".

Os Estados Unidos manifestaram vontade que os dois lados possam trabalhar juntos em questões de interesse mútuo, incluindo as alterações climáticas e a prevenção de uma crise nuclear na península coreana, apesar das crescentes diferenças.

A relação entre a China e os EUA deteriorou-se rapidamente, nos últimos dois anos, com várias disputas simultâneas entre as duas maiores economias do mundo, incluindo uma prolongada guerra comercial e tecnológica e diferendos em questões envolvendo os Direitos Humanos, o estatuto de Taiwan e Hong Kong, ou a soberania do mar do Sul da China.

Antes da conversa por telefone, um responsável do executivo norte-americano, citado pela agência de notícias Associated Press (AP), disse que a Casa Branca não estava satisfeita com os contactos iniciais com Pequim.

O responsável, que pediu o anonimato, disse que a Casa Branca espera que uma conversa entre os dois líderes possa ser benéfica.

O comunicado emitido pela diplomacia chinesa destacou que "ambos os líderes mantiveram uma comunicação estratégica sincera, ampla e profunda, e abordaram as relações bilaterais e questões pendentes de interesse comum".

"A comunidade internacional enfrenta muitos problemas comuns. A China e os EUA devem assumir maiores responsabilidades e continuar a olhar em frente e demonstrar valor estratégico e político", acrescentou Xi Jinping, de acordo com a mesma nota.

Xi citou em particular as iniciativas chinesas para combater as alterações climáticas, dias após a visita à China do enviado especial dos Estados Unidos para o clima, John Kerry.

Xi e Biden "concordaram em manter uma comunicação regular por meio de vários canais", no âmbito das questões do clima, enquanto orientam responsáveis dos respetivos governos, em diferentes níveis e áreas, para fazerem o mesmo, destacou o comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês.

O responsável da Casa Branca, citado pela AP, indicou que Biden deixou claro a Xi que não tenciona afastar-se da política da sua administração de pressionar a China nas questões dos Direitos Humanos, comércio e outras áreas em que acredita que Pequim está a infringir as normas internacionais.

Os contactos de alto nível entre Pequim e Washington têm sido marcadas por recriminações.

Na semana passada, o ministro dos Negócios Estrangeiros da China, Wang Yi, alertou John Kerry que a deterioração das relações entre os dois países pode prejudicar a cooperação na questão do clima.

Wang disse a Kerry que a cooperação não pode ser separada do relacionamento mais amplo e pediu aos EUA que tomem medidas para melhorarem os laços.

Em julho, a vice-secretária de Estado norte-americana Wendy Sherman enfrentou uma longa lista de exigências e reclamações, durante uma visita à China, incluindo acusações de que os EUA estão a tentar conter e suprimir o desenvolvimento do país asiático.

O vice-ministro dos Negócios Estrangeiros chinês, Xie Feng, pediu aos EUA que "mudem a sua mentalidade altamente equivocada e política perigosa".

Desde o início da presidência, Biden tem privilegiado um alinhamento com os aliados para procurar uma abordagem comum para a China. O líder norte-americano vê Pequim como o concorrente económico mais significativo dos Estados Unidos e uma preocupação crescente para a segurança do seu país.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de