Horasis

Investimento. 200 mil milhões à caça em Lisboa

Foto: Diana Quintela/ Global Imagens
Foto: Diana Quintela/ Global Imagens

Vieram de 75 países para conhecer Portugal e para se darem a conhecer. Durante quatro dias, Cascais esteve no centro da captação de investimento

Poucos terão ouvido falar dela, mas há uma agência de rating que já passou o atestado de saúde a Portugal. É norte-americana e chama-se BERI, acrónimo para Business Environment Risk Intelligence. É liderada por Saruhan Hatipoglu, um indiano radicado nos EUA que esteve esta semana em Portugal, onde aproveitou para perguntar ao ministro da Economia se a decisão de tirar Portugal do lixo foi ou não uma “loucura”.

Manuel Caldeira Cabral garantiu que a BERI tomou a decisão certa e que as outras agências de notação financeira seguirão em breve pelo mesmo caminho. Mas o que levou a BERI a carimbar a dívida portuguesa com o grau de investimento, quanto as restantes agências garantem que o país ainda tem provas para dar?

No relatório a que o Dinheiro Vivo teve acesso, os analistas da pequena agência explicam que apesar dos “riscos macroeconómicos” que persistem, “o país deu passos construtivos na manutenção da estabilidade política e económica”. Destacam o “notável foco nas startups e na implementação de avanços tecnológicos”, e os “consideráveis fluxos de investimento estrangeiro”, que “deverão continuar a entrar em 2017”. E termina com uma recomendação: os investidores devem “expandir a atividade” em Portugal.

O encontro entre o CEO da BERI e Caldeira Cabral teve lugar em Cascais, onde durante quatro dias estiveram reunidas cerca de 400 personalidades de 75 países, entre líderes políticos, donos de empresas, pensadores e académicos.

Segundo contas da organização, juntos valem cerca de 200 mil milhões de euros, mais do que o PIB português. O que os une? Um alemão casado com uma portuguesa, que em 2005 criou as conferências Horasis. O objetivo destes encontros, que dão a volta ao mundo e quatro vezes por ano assentam num país diferente, é “juntar empresários, investidores e outros decisores para discutir os temas mais relevantes do momento na sociedade”, explica Frank-Jurgen Richter ao Dinheiro Vivo. E fazer negócios? “Também, claro”, garante o alemão, que já liderou o Fórum Económico Mundial.

Portugal não é um lugar estranho para a organização das Horasis. Nos últimos dois anos o país foi palco dos eventos dedicados à Índia e à China. “A ideia é também atrair investidores para Portugal. Depois da conferência sobre a Índia, no ano passado, soubemos de vários investidores indianos que ficaram interessados em Portugal”, conta Frank-Jurgen Richter, sublinhando que o dono de uma farmacêutica chegou a concretizar o negócio. “Acredito que Portugal pode ser um novo centro global para o diálogo”.

O investimento direto estrangeiro em Portugal atingiu, em 2016, o valor mais alto dos últimos 20 anos, de acordo com um estudo da consultora EY. Ao todo, foram 59 as empresas que se instalaram no país. Os números do Banco de Portugal apontam para um investimento acumulado de 112 mil milhões de euros. Só o setor do imobiliário captou mais de 33 mil milhões de euros.

Nas conferências Horasis os investidores discutiram “o milagre de Lisboa”, mas questionados sobre uma possível aplicação de capital no país, não fizeram promessas. Akinori Niimi é sócio da ACA Investments, uma gestora japonesa de fundos de investimento. A amizade com Frank-Jurgen Richter trouxe-o pela quinta vez a uma conferência Horasis e pela primeira a Portugal. “É um ótimo local para recolher informação e, pelo que percebi, é um bom destino para investir no turismo. Os recursos naturais são excelentes, deveriam apostar nisso. Quanto aos outros setores, ainda tenho de fazer o trabalho de casa”, reconhece.

Os encontros Horasis também não são novidade para Sein-Way Tan, que deixou a Austrália pela oitava vez para participar nas conferências. O presidente da Green World City, uma organização que aconselha governos e empresas a criar projetos sustentáveis, reconhece que os encontros são “um palco muito poderoso não só para trocar ideias mas para principalmente trocar contactos e conhecer pessoas”. Os milhares de cartões de visita que passam de mãos durante o evento “podem levar a negócios”. Para Sein-Way Tan, não seria a primeira vez. “Numa das conferências a que fui conheci o representante de uma empresa tecnológica e três anos depois assinámos um grande contrato. Acredito que pode acontecer o mesmo em Portugal”.

Menos confiante está Mark Zelman, diretor da britânica Chartwell Telecom. É a terceira conferência em que participa a convite de Frank-Jurgen Richter, “e quando o Frank nos faz um convite não podemos recusá-lo”. Ao fim do terceiro dia já esgotou os cartões de visita, porque “é para isso” que vem. Os negócios ficam para depois. “Não acredito que vá fechar algum investimento aqui, o mais importante é a lista de contactos que se constrói, porque os negócios em si demoram algum tempo. Fui a uma conferência há três anos e só há seis meses comecei a trabalhar com um empresário que conheci nesse encontro”.

E quanto a Portugal? “Não sei se é um bom sítio para investir, mas ouvi dizer que os recursos humanos na área da tecnologia são muito qualificados e que os custos da mão de obra são baixos por causa da crise”.

O rótulo de “bom e barato” da dita geração mais bem qualificada de sempre não incomoda o Governo, nem os empresários. Para o ministro da Economia, “os investidores que estão em Portugal há muitos anos, como a Renault ou Volkswagen, estão a fazer novos e grandes investimentos porque sabem com o que contam e estão cada vez mais preocupados com a qualidade da mão de obra” ao invés do custo, salienta Manuel Caldeira Cabral.

A visão é partilhada por José António Saraiva, que além dos recursos humanos destaca as “excelentes infraestruturas” que o país oferece ao capital estrangeiro. “Hoje reunimos condições de atratividade que podem competir com as geografias consideradas de topo”, afirma o presidente da Confederação Empresarial (CIP), deixando todavia um alerta para “as reformas que têm de ser feitas”. “Temos de ser mais atrativos a nível fiscal, ter mais previsibilidade e uma justiça económica mais célere. Somos um país pequeno mas temos de saber ser pequenos”, considera o “patrão dos patrões”.

Segundo José António Saraiva, há uma forma alternativa de Portugal se afirmar como íman de investidores, que passa por “constituir uma plataforma giratória para outros continentes”. A tática já começou a dar frutos com a Índia. Quem o garante é Altino Álvares, presidente do Business Hub Portugal Índia.

“Queremos transformar Portugal num hub de negócio, aproveitando o legado que Portugal tem com a Índia”, explica ao Dinheiro Vivo. E dá um exemplo de como gira a plataforma. “Uma empresa indiana queria investir em Moçambique. Era um negócio de 60 milhões de euros que acabou por falhar. Foi aqui que entrámos. Aconselhámos a empresa indiana a vir a Portugal para uma joint venture e investir em Moçambique através de uma base portuguesa. O risco baixa, porque há confiança em Portugal, e todos ganham com o negócio”, destaca Altino Álvares. 500 anos depois, Portugal volta a apostar no caminho para a Índia.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Vieira da Silva  (A. LOPES/LUSA)

Percentagem de trabalhadores com salário mínimo recuou no 2º trimestre

A presidente do Conselho das Finanças Públicas (CFP), Teodora Cardoso. Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Teodora Cardoso acusa Centeno de “falta de transparência” no orçamento

Dominic Raab, secretário de Estado para a saída da União Europeia, à direita. Londres, 13 de novembro de 2018. EPA/NEIL HALL

Brexit: Reino Unido e UE chegam finalmente a acordo

Outros conteúdos GMG
Investimento. 200 mil milhões à caça em Lisboa