OE2019

Investimento de Centeno dispara com 37 aviões novos da TAP este ano

O ministro das Finanças, Mário Centeno (D), acompanhado por Ricardo Mourinho Félix (2D), secretário de Estado Adjunto e das Finanças, fala perante a Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, na Assembleia da República, em Lisboa,15 de maio de 2019.  JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA
O ministro das Finanças, Mário Centeno (D), acompanhado por Ricardo Mourinho Félix (2D), secretário de Estado Adjunto e das Finanças, fala perante a Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, na Assembleia da República, em Lisboa,15 de maio de 2019. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

TAP confirma que vai receber 37 aeronaves em 2019; 33 delas estão avaliadas pela Airbus em mais de 6,6 mil milhões de euros.

O investimento nacional, o motor do crescimento no primeiro trimestre deste ano, está a ser impulsionado de forma significativa pela compra de aviões Airbus por parte da TAP. A companhia aérea confirmou que “receberá um total de 37 aviões novos este ano e 71 até 2025, ficando assim com uma das frotas mais modernas do mundo”.

Ontem, o Instituto Nacional de Estatística (INE), revelou que a economia portuguesa acelerou o ritmo de crescimento homólogo de 1,7% no quarto trimestre para 1,8% nos três primeiros meses de 2019, sublinhando que “o contributo da procura interna para a variação homóloga do produto interno bruto (PIB) aumentou, refletindo uma aceleração significativa do investimento”. O destaque do INE aqui.

Antes da audição na comissão parlamentar de orçamento, numa nota enviada aos jornais, Mário Centeno, o ministro das Finanças, reagiu, recordando que a economia portuguesa está a crescer, em termos reais, há “22 trimestres consecutivos” e que agora isso se deve, sobretudo, ao investimento.

A procura interna (consumo privado, público e investimento, essencialmente) “mais do que compensou a diminuição do contributo para o crescimento proveniente do comércio internacional”, referiu Centeno, reconhecendo um problema que já se arrasta há algum tempo.

“O abrandamento das exportações resulta, sobretudo, do aumento da incerteza geopolítica e das tensões comerciais globais”, fatores que têm pesado, “em especial nas maiores economias da Europa”, lamentou.

Investimento, importações, aviões da Airbus

O ministro das Finanças reiterou que “a aceleração do investimento no primeiro trimestre é o principal destaque da aceleração da economia”, mas há um contra. Isso “reflete-se no aumento das importações, onde se destaca o crescimento expressivo da importação de bens de investimento, como máquinas e outros bens de capital, material de transporte e produtos transformados destinados à indústria”.

As importações roubam valor ao PIB. Centeno não entrou em detalhes.

Foi o departamento de estudos do BPI que levantou o véu sobre o que pode explicar o crescimento “significativo” do investimento neste arranque de ano.

A aceleração do investimento “está em linha com o comportamento de vários indicadores no 1T 2019, nomeadamente a robustez das importações de bens de capital (incluindo transportes, reflexo da compra de aeronaves pela TAP) e a evolução positiva do volume de negócios no mercado interno dos bens intermédios e de investimento”, escreveram os economistas do BPI numa nota sobre a conjuntura e o PIB.

A TAP é uma empresa controlada a 50% pelo Estado. O consórcio privado formado por Humberto Pedrosa (o empresário português, dono do grupo Barraqueiro), o brasileiro David Neeleman e os chineses da HNA detêm 45%. Centeno não disse, mas o impulso do investimento sobre a economia depende muito da operação de expansão em curso da TAP.

Guerra de números no Parlamento

No Parlamento, o ministro foi muito atacado, da esquerda à direita, por não mostrar a “verdade” dos números no investimento público.

Argumentou que “ao contrário do que tem sido dito, e uma mentira dita muitas vezes não se transforma em verdade, o financiamento do Orçamento do Estado dirigido ao investimento no período entre 2016 e 2018 aumentou 37,1% face à anterior legislatura”.

“Passámos de 2.133 milhões de euros para 2.925 milhões de euros, um crescimento de 800 milhões de euros, repito, 800 milhões de euros por ano em média.”

Fonte: Ministério das Finanças

Fonte: Ministério das Finanças

Em 2019, Centeno garante que o investimento público vai crescer “uma média de 10%”, para cerca de 4,4 mil milhões de euros, ajudando assim o investimento total (privados incluídos) a avançar 5,3% (depois de um aumento de 4,4% em 2018, mostra o Programa de Estabilidade).

Tudo indica que, não obstante a “aposta” do governo em investimentos “estruturantes”, só este ano vai ser muito rico em compras de aviões pela TAP, o que contribuirá bastante para as previsões das Finanças.

A TAP vai receber, como referido, 37 aviões novos da Airbus, em 2019.

Segundo o fornecedor, a Airbus (um consórcio alemão e francês), serão entregues (já estão a ser, aliás) 14 novos modelos A321 LR (longer range), cujo preço tabelado de 2018 (oficial, de acordo com o fabricante) é de 129,5 milhões de euros a unidade. Em euros (câmbio atual), dá um investimento total de 1,6 mil milhões de euros.

Há ainda os novos A330-900 neo, um total de 19 aeronaves a serem entregues este ano, cuja fatura andará à volta de 5 mil milhões de euros.

Neste total (33 aeronaves), estaremos a falar de valores que podem ascender a mais de 6,6 mil milhões de euros em aviões da Airbus de última geração.

Fonte: Airbus

Fonte: Airbus

O Dinheiro Vivo não conseguiu apurar o valor dos 4 aviões remanescentes. Mas isso acresce aos cálculos feitos até aqui.

Nem tudo será investimento público. A TAP tem uma participação privada de 45%, mas o contributo para a parcela do investimento na economia portuguesa vai ser, e já está a ser, como refere o BPI, muito relevante.

Recorde-se que este fenómeno conjuntural já aconteceu no passado, quando o PIB subiu muito em algumas ocasiões com compras de aeronaves; ou exportações de navios assinados pelos estaleiros de Viana do Castelo, por exemplo.

O efeito da importação/compra de aviões Airbus na economia (com o respetivo acréscimo de investimento em equipamento de transporte) deve continuar a sentir-se ao longo deste ano (as 37 aeronaves ainda não foram todas entregues) e até 2025, ano em que termina a encomenda da TAP.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
5G_2

5G: Anacom arranca já com consulta. Leilão será em abril

5G_2

5G: Anacom arranca já com consulta. Leilão será em abril

Boris Johnson, primeiro-ministro britânico. EPA/JESSICA TAYLOR

Moody’s: Probabilidade de Brexit com acordo é agora maior

Outros conteúdos GMG
Investimento de Centeno dispara com 37 aviões novos da TAP este ano