Investimento estrangeiro afunda 50% no 1º semestre

Transações de IDE continuam dominadas pelo sector bancário, financeiro e consultoras. Maior parte do dinheiro vem via Luxemburgo e Holanda.

A economia portuguesa captou quase 2,6 mil milhões de euros em investimento direto estrangeiro (IDE) no primeiro semestre, mas este valor reflete uma quebra superior a 50% face ao alcançado no mesmo período do ano passado, indicam cálculos do Dinheiro Vivo (DV) com base em dados ontem divulgados pelo Banco de Portugal.

Esta quebra acontece porque as transações de IDE continuam a ser muito dependentes dos negócios do sector bancário e financeiro.

Desde 2014, estava Portugal no último ano do programa de ajustamento, que não havia um primeiro semestre tão fraco em termos de investimento direto do exterior. O maior valor das séries agora construídas remonta a 2012, ano em que o governo de então resolveu privatizar o resto da EDP (vendeu aos chineses da CTG) e os aeroportos (venda da ANA aos franceses do grupo Vinci). Foram as duas maiores privatizações do tempo do resgate.

Além disso, o valor do IDE recua muito agora porque há um ano houve pelo menos dois negócios importantes que empolaram os montantes registados: o espanhol CaixaBank comprou o BPI; e o Santander Totta ficou com as operações do Banco Popular Portugal.

Neste último caso, o negócio foi feito por um euro, mas o Santander terá ficado com instrumentos de dívida e isso também conta como IDE, de acordo com os critérios observados pelo banco central.

Todas estas operações ajudaram a fazer subir os valores do IDE dirigido a Portugal.

Bancos e consultoras lideram

Como referido, no primeiro semestre, Portugal captou cerca de 2,6 mil milhões de euros em investimento do exterior. As atividades de consultoria foram as que mais contribuíram, com 897 milhões de euros. Logo a seguir surgem as atividades financeiras e de seguros, com 683 milhões de euros, indicam as contas do DV com recurso às bases de dados do BdP.

Em contrapartida, os investidores estrangeiros drenaram valor do sector industrial (menos 139 milhões em IDE no primeiro semestre) e do comércio (-177 milhões de euros).

Quando o saldo do IDE é negativo significa que houve desinvestimento, algum tipo de extração de valor por parte dos acionistas estrangeiros. Isto pode acontecer por causa de fenómenos com o repatriamento de lucros, por exemplo.

Mas em termos comparativos (face ao primeiro semestre do ano passado), a maior erosão aconteceu mesmo no sector financeiro. A quebra foi de 2,3 mil milhões de euros e explica bem a descida no investimento total.

O sector imobiliário, que na primeira metade do ano passado conseguiu ancorar 322 milhões de euros em interesses estrangeiros, está agora a ser drenado por esses acionistas ou sócios num valor equivalente a 130 milhões de euros. É uma diferença de menos 452 milhões de euros.

Um fenómeno parecido acontece nas atividades do comércio. No primeiro semestre do ano passado, conseguiram captar 313 milhões de euros, mas agora o saldo do IDE afeto a este sector é negativo (-177 milhões). O corte é o maior de todos os sectores: menos 490 milhões de euros investidos.

Consultoras e tecnológicas em alta

Mas há ganhadores. O sector que efetivamente mais ganhou com o interesse dos estrangeiros foi a consultoria e as atividades científicas: tinha captado 605 milhões de euros líquidos no período de janeiro a junho de 2017 e agora já vai em 897 milhões. É um reforço significativo, de 48%. Fora este, o panorama é relativamente pobre.

De acordo com a consultora AT Kearney, este ano, Portugal entrou pela primeira vez no top 25 dos países mais atrativos do mundo para o investimento direto estrangeiro (IDE). O país ocupa o 22º lugar, ficando à frente da Noruega, da Áustria e do Brasil, num ranking liderado pelos Estados Unidos.

A consultora destaca o trabalho de promoção de “parcerias” entre entidades públicas e empresas privadas para usar o dinheiro do Portugal 2020 (fundos europeus) “numa variedade de áreas focadas em inovação”.

E mostra-se surpreendida com o crescimento explosivo do sector das tecnologias. Este “registou um crescimento notável de 673% nos investimentos nacionais e estrangeiros em 2017 face ao ano precedente”, dizem os consultores.

“Lisboa está a tornar-se um centro de start-ups tecnológicas em parte graças à deslocalização da conferência anual Web Summit, que acontecia em Dublin”.

A AT Kearney dá ainda como exemplos o plano da Google para abrir um novo centro em Lisboa “que vai criar 500 empregos” e as parcerias com a Cisco e a Out Systems nas áreas da digitalização do país e da inteligência artificial, respetivamente.

Luxemburgo foi o que mais investiu em Portugal até junho

Voltando aos dados do Banco de Portugal. A dimensão altamente financeira do IDE que entra em Portugal -- aliada ao facto de muitas empresas (algumas portuguesas com sede lá fora) escolherem fazer as operações a partir de territórios mais vantajosos ou favoráveis em termos fiscais ou de acesso a financiamento -- explica bem a razão pela qual o Luxemburgo é o território de origem mais importante no investimento que vem do exterior.

Pelas contas do DV, o Luxemburgo originou 939 milhões de euros em IDE efetivamente captado pela economia portuguesa nos primeiros seis meses deste ano. Mas também se percebe que uma das maiores reduções nesse saldo é provocada pelos negócios do Luxemburgo. O valor das transações com origem neste país onde a fiscalidade continua a ser altamente favorável caiu quase 779 milhões de euros.

O Reino Unido aparece como a segunda fonte de investimento mais importante (515 milhões de euros). A Holanda é a terceira (414 milhões) – é outro dos territórios que acolhe vários grupos empresariais portugueses, sobretudo por razões fiscais e de acesso ao financiamento.

Do lado oposto estão os países que mais extraíram valor da economia em sede dos seus investimentos cá. Espanha, que é um grande investidor em termos históricos, drenou 484 milhões de euros; a Irlanda conseguir retirar 230 milhões.

França, outro grande investidor, repatriou 48 milhões. A Alemanha reforçou em 93 milhões a sua posição em Portugal.

Em termos históricos, Holanda ganha

Em termos históricos (analisando os stocks de IDE, o valor acumulado ao longo do tempo), conclui-se que a Holanda lidera, com quase 28 mil milhões de euros dirigidos a Portugal. Este valor não reflete o dinheiro que eventualmente foi extraído da economia portuguesa.

O segundo território de origem mais valioso é justamente o Luxemburgo (24,5 mil milhões de euros). Espanha surge em terceiro com 22,3 mil milhões de euros aplicados em Portugal.

Reino Unido, França, Brasil e China são, por esta ordem, as outras mais fontes mais relevantes no IDE que aterra em Portugal.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de