Espaço

WC no espaço? A NASA tem 30 mil dólares para quem arranjar uma solução eficaz

(DR)
(DR)

O "Space Poop Challenge" foi lançado no final do ano passado e agora, finalmente, os vencedores foram anunciados.

Ir à casa de banho pode parecer não ter muita ciência. Exceto se estivermos no espaço, submetidos a níveis de gravidade diferentes dos que estamos habituados. A NASA reconheceu o problema e decidiu pedir ajuda à comunidade. O “Space Poop Challenge” foi lançado no final do ano passado e agora, finalmente, os vencedores foram anunciados.

Quando têm de ir ao espaço, os astronautas enfrentam inúmeros desafios. A maior parte diz respeito à manutenção dos níveis vitais estáveis face a condições adversas, como a falta de gravidade, ar rarefeito e dificuldades de nutrição. Contudo, as idas à casa de banho fazem parte das necessidades básicas do ser humano. E a agência espacial norte-americana tem tido dificuldades em resolver a situação de uma forma eficaz. É que, como indica a NASA na página oficial do desafio, os astronautas podem ter de ficar com os fatos espaciais vestidos por cerca de 144 horas, em caso de emergência.

As candidaturas para ideias e projetos terminaram a 20 de dezembro. A agência espacial indica que recebeu mais de cinco mil propostas, de todos os continentes. Esta semana foram anunciados, finalmente, os vencedores e houve um primeiro, um segundo e um terceiro lugar.

Leia aqui: Como Marte vai catapultar a indústria dos espaço portuguesa

O projeto que mais se destacou é da autoria de Thatcher Cardon, um cirurgião oficial das Forças Armadas norte-americanas, que se inspirou na ciência das cirurgias de invasão mínima para resolver o problema. “Hoje em dia fazem-se coisas incríveis através de pequenas aberturas. Pode-se substituir válvulas do coração através cateteres em artérias”, explicou o cirurgião, citado pela Quartz.

A sua ideia consiste na introdução de um compartimento no final do fato espacial, com um pequeno orifício que permite aos astronautas inserirem e removerem fraldas e roupa interior. A NASA concedeu a Thatcher Cardon o primeiro prémio, no valor de 10 mil dólares (9,39 mil euros).

O segundo lugar coube a um design que faz com que os desperdícios seja aspirados para um compartimento externo, através do ar que o movimento do astronauta gera. A terceira posição foi para um fato, apelidado SWIMsuit, que faz o tratamento sanitário e a absorção dos desperdícios. Cada um dos projetos vai receber 10 mil e 5 mil euros, respetivamente.

Nos próximos tempos, a agência espacial europeia terá que testar os projetos vencedores para verificar a sua aplicabilidade no espaço. Contudo, a NASA espera que não venha a ser necessária a sua utilização, uma vez que em missões normais, os astronautas nunca precisarão de ficar tantas horas fora de órbita.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Dívida pública está nos 130,3%

Endividamento da economia atinge novo recorde em abril

REUTERS/Pedro Nunes/File Photo

Programa de arrendamento acessível arranca a 1 de julho. Tudo o que deve saber

Zeinal Bava, ex-PT e Oi

Zeinal Bava faz promessa: “Chegou o momento de esclarecer tudo”

Outros conteúdos GMG
WC no espaço? A NASA tem 30 mil dólares para quem arranjar uma solução eficaz