Energia

Irão insiste no direito de exportar petróleo e critica EUA e Reino Unido

Fotografia: D.R.
Fotografia: D.R.

O Irão e de cinco países que continuam comprometidos com o acordo nuclear designado como Plano de Ação Conjunta Globa reuniram hoje em Viena

O Irão insistiu hoje no direito, estipulado no acordo nuclear de 2015 e numa resolução do Conselho de Segurança da ONU, de exportar petróleo e acusou Estados Unidos e Reino Unido de estarem a atuar contra esses acordos.

Representantes do Irão e de cinco países (França, Reino Unido, Alemanha, Rússia e China) que continuam comprometidos com o acordo nuclear designado como Plano de Ação Conjunta Global (JCPOA, na sigla em inglês) realizaram hoje em Viena uma reunião extraordinária para conseguir salvar o pacto, do qual os Estados Unidos se retiraram.

“Qualquer obstáculo à forma como o Irão exporta o seu petróleo vai contra o JCPOA (acordo nuclear)”, sublinhou o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros do Irão Abbas Araghchi, após a reunião.

O diplomata referiu-se expressamente ao petroleiro iraniano Grace 1 apresado no início de julho pelas autoridades britânicas ao largo de Gibraltar, afirmando que contribuiu para agravar a tensão que já existia no Golfo Pérsico. Durante a manhã, o negociador iraniano já tinha acusado o Reino Unido de violar o acordo por reter o navio.

“O que os Estados Unidos estão a fazer – impedir exportações de petróleo a partir do Irão”, é uma violação da resolução do Conselho de Segurança”, afirmou o responsável iraniano em referência à resolução 2231 do órgão da ONU, adotada após o acordo nuclear.

Teerão considera vital manter a capacidade de exportação de petróleo, o principal benefício que conseguiu com o acordo, alcançado há quatro anos em troca do enquadramento das suas atividades nucleares.

Araghchi já tinha afirmado hoje em declarações à televisão iraniana que os Estados-membros não devem colocar “qualquer obstáculo” às exportações iranianas de petróleo se querem salvar o acordo, destinado a garantir que o programa nuclear de Teerão tem fins pacíficos.

Em maio de 2018, Washington anunciou a retirada unilateral do acordo negociado pela administração Obama e o restabelecimento das sanções que têm devastado a economia iraniana, sem que os signatários que se mantiveram no acordo tenham conseguido ajudar Teerão a contornar esses obstáculos.

Um ano após o anúncio da decisão norte-americana, o Irão declarou que não se sentia obrigado a continuar a respeitar dois dos seus compromissos no pacto, os limites das reservas de urânio pouco enriquecido e de água pesada, e já este mês disse que deixaria de respeitar as restrições sobre o grau de enriquecimento de urânio, que o pacto limita a 3,67%.

Segundo Araghchi, “os participantes que continuam no JCPOA continuam determinados em salvar este acordo que representa um grande sucesso diplomático” e as conversações, a nível de diretores políticos, decorreram numa atmosfera “construtiva”.

Apesar da tensão, as negociações decorreram em “bom ambiente”, confirmou o representante chinês, Fu Cong.

As várias partes querem agora realizar uma reunião a nível ministerial para conseguir avanços, mas isso “ainda necessita de preparação”, referiu Araghchi.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Euronext Lisboa. Fotografia: Global Imagens

Menos de metade das cotadas entregaram planos para igualdade

Euronext Lisboa. Fotografia: Global Imagens

Menos de metade das cotadas entregaram planos para igualdade

Combustíveis

Petróleo sobe em flecha. “Não haverá impacto perturbador nas nossas algibeiras”

Outros conteúdos GMG
Irão insiste no direito de exportar petróleo e critica EUA e Reino Unido