Eurogrupo

Sucessor de Centeno: Irlandês Donohoe surpreende e bate espanhola Calviño

Paschal Donohoe
Ministro das Finanças irlandês Paschal Donohoe (PAUL FAITH / AFP)

Foi preciso segundo 'round' na votação à distância, mas Paschal Donohoe, ministro irlandês, é o novo presidente do Eurogrupo, sucedendo a Centeno

Na disputa pelo anterior cargo de Mário Centeno como presidente do Eurogrupo, existiam dois favoritos, mas Nádia Calviño, vice-primeira-ministra de Espanha e a aposta de Portugal para o cargo, perdeu à segunda votação para Paschal Donohoe, ministro das Finanças irlandês

Antes disso, já Pierre Gramegna, o candidato luxemburguês, tinha abandonado a corrida. O novo presidente do Eurogrupo já reagiu no Twitter.

Donohoe também já recebeu os parabéns de Christine Lagarde, presidente do BCE, bem como o seu antecessor, Mário Centeno. Lagarde agradeceu ainda a Centeno pelo trabalho feito e “pela excelente colaboração e pelo contributo para a Europa”.

A eleição para a sucessão de Mário Centeno teve início às 17h de Lisboa, durante uma reunião por videoconferência dos ministros das Finanças da zona euro. Nadia Calviño, Paschal Donohoe e Pierre Gramegna fizeram breves discursos antes de ter início a votação, que é secreta e eletrónica.

O vencedor, neste caso Donohoe, foi o primeiro a conseguir uma maioria simples, ou seja, os votos de pelo menos 10 dos 19 países da zona euro, sendo que houve a necessidade de uma segunda volta para ‘afastar’ uma das três candidaturas.

Antes da reunião, o ainda presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, elogiou os “três excelentes candidatos” à sua sucessão, afirmando-se seguro de que deixará a liderança do fórum de ministros das Finanças da zona euro “em boas mãos”.

Calviño, a candidata apoiada por Portugal, era apontada como a favorita, dado contar com os apoios de Alemanha e França, as duas maiores economias da zona euro, mas acabou por não conseguir a nomeação.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, João Leão (D), durante o debate e votação da proposta do orçamento suplementar para 2020, na Assembleia da República, em Lisboa, 17 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Oficial. Governo revê défice em alta para 7% e dívida para quase 134%

O secretário-geral da UGT, Carlos Silva. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

UGT insiste em mais 35 euros de salário mínimo e exige redução de IRS

(João Manuel Ribeiro/Global Imagens)

BCP chega a acordo com sindicatos e atualiza todos os salários com retroativos

Sucessor de Centeno: Irlandês Donohoe surpreende e bate espanhola Calviño