IRS pode aumentar para 70% dos contribuintes

Maria Luís Albuquerque
Maria Luís Albuquerque

A substituição do quociente conjugal por um familiar e a criação de deduções de valor fixo podem aumentar a fatura de IRS dos contribuintes sem filhos ou que já não cabem no conceito de dependente fiscal.

De acordo com os dados da Autoridade Tributária e
Aduaneira a que o Dinheiro Vivo teve acesso, há cerca de 3,7
milhões de agregados que não declaram qualquer dependente no seu
IRS. O anteprojeto da reforma de IRS prevê que a determinação do
rendimento coletável (sujeito a tributação) passe a ter em conta o
número de dependentes do agregado, atribuindo a cada um o valor de
0,3. Se esta solução vier a ser acolhida, os contribuintes com
filhos vão pagar menos imposto, mas os que não têm dependentes
podem pagar mais. Esta subida rondará um valor médio de 46 euros,
de acordo com os cálculos do anteprojeto.

Os dados da Administração Tributária mostram que a maior parte
(70%) dos 5,08 milhões de agregados que entregaram a declaração de
IRS em 2012 não têm dependentes – porque não têm filhos ou
porque, como acontece com a maioria dos pensionistas, estes já não
podem ser considerados para efeito fiscal. Inversamente, os cerca de
809 mil contribuintes com um dependente deverão ter um
desagravamento fiscal da ordem dos 65 euros e de 206 euros quando
existam dois filhos.

Este quociente deverá ser conjugado com um sistema de deduções
de valor fixo. Os atuais constrangimentos orçamentais levaram a
comissão a prever três cenários para as deduções, com a opção
pelo mais generoso a levar a uma perda da receita fiscal da ordem dos
301,6 milhões de euros. Se o Governo escolher o cenário que aponta
para um valor de deduções mais baixo, não haverá nem perdas nem
ganhos de receita. Para alguns agregados sem dependentes, sobretudo
para os que têm rendimentos mais altos, a opção pelo teto de
deduções mais elevado deverá traduzir-se num agravamento do
imposto a pagar no fim do ano.

Para a comissão, a descida do IRS deve começar pela sobretaxa.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa. JOÃO RELVAS/POOL/LUSA

Governo cria complemento salarial até 350 euros para trabalhadores em lay-off

O primeiro ministro, António Costa, fala aos jornalistas durante a conferência de imprensa, 04 junho 2020, realizada no final da reunião do Conselho de Ministros, no Palácio da Ajuda, em Lisboa.     MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

Banco de Fomento para Portugal com “aprovação provisória”

O primeiro ministro, António Costa, fala aos jornalistas durante a conferência de imprensa realizada no final da reunião do Conselho de Ministros, no Palácio da Ajuda,  em Lisboa, 29 de maio de 2020. O Governo decidiu adiar a passagem para a terceira fase de desconfinamento na Área Metropolitana de Lisboa e criou regras especiais, sobretudo em atividades que envolvem “grande aglomerações de pessoas”.  MANUEL DE ALMEIDA/POOL/LUSA

Trabalhadores em lay-off passam a receber entre 77% e 92% do salário

IRS pode aumentar para 70% dos contribuintes