8.º Aniversário DV

“A gestão de pessoas irá exigir estratégias para atração e retenção de talento”

isabel_azevedo_ceo_fricon_1

O Dinheiro Vivo, no âmbito do 8º aniversário, desafiou gestores, empresários e académicos a apresentar uma ideia para Portugal na próxima década. Veja as propostas de Isabel Azevedo, CEO da Fricon.

Uma ideia para a sua empresa na próxima década
Acreditamos que na próxima década a gestão de pessoas irá exigir-nos a implementação de estratégias no que respeita a atração e retenção de talento. No passado, o colaborador que entrava na Fricon aí cumpria toda a sua carreira. As novas gerações procuram mais do que estabilidade, requerem novas aprendizagens, um ambiente de trabalho estimulante e oportunidades de crescimento.

Esta mentalidade está alinhada com o caminho que a Fricon tem vindo a traçar. Somos uma empresa assente em valores como a inovação e a sustentabilidade, que nunca foi resistente às mudanças, bem pelo contrário. Aliás, o lema do nosso fundador, Artur Martins Azevedo foca precisamente esta característica: “o crescimento é o produto do futuro que fomos capazes de prever”.

Queremos atrair jovens com interesse pelo setor industrial para funções mais técnicas, nomeadamente na área da produção, como por exemplo eletricistas, fresadores, carpinteiros e serralheiros. Estamos a reforçar a nossa comunicação para dar a conhecer como é trabalhar na Fricon, ao mesmo tempo que procuramos envolver a comunidade. Continuaremos a apostar na formação para garantir a progressão dos nossos colaboradores e a sua especialização. Procuramos jovens qualificados e para isso vamos intensificar as parcerias com as escolas, por forma a tornar a atração e os processos de recrutamento mais ágeis. Tudo isto requer o aprofundamento de uma cultura organizacional de proximidade, que promova um ambiente de trabalho envolvente e em que todos fazem parte dos desafios.

Uma proposta para Portugal na próxima década
O nosso fundador tinha uma preocupação social quando criou a Fricon: melhorar a vida dos seus conterrâneos, proporcionando-lhes boas condições de trabalho. No país, como na Fricon, este é um elemento essencial para o progresso e bem-estar. Da nossa parte, este compromisso mantêm-se com o crescimento conquistado ano após ano, nomeadamente com uma forte exportação dos nossos equipamentos para refrigeração e conservação de alimentos e bebidas. Também as ações de responsabilidade social por parte da Fricon são uma prática já de décadas, sobretudo junto da comunidade mais próxima e intensificam-se todos os anos. Este fator de desenvolvimento é indissociável da sustentabilidade ambiental, sem a qual não há qualidade de vida e esse é um elemento já intrínseco a todos os nossos equipamentos — pois são pensados de raiz para melhorar a eficiência energética e reduzir consumos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira (E), e a ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D). Fotografia: ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Governo deixa cair referencial geral para aumento de salários

Elisa Ferreira, António Costa. Fotografia: Álvaro Isidoro/Global Imagens

Elisa Ferreira. Minas de lítio têm de “compensar impacto ambiental”

Iberdrola

Iberdrola investe 200 milhões em projetos eólicos no Alto Tâmega

“A gestão de pessoas irá exigir estratégias para atração e retenção de talento”