Tecnologia

Islândia: Consumo de energia para criptomoedas superará o das famílias

Fotografia: REUTERS/Dado Ruvic/Illustration
Fotografia: REUTERS/Dado Ruvic/Illustration

Uma das maiores elétricas da Islândia alerta que o consumo de energia exigido para a produção de criptomoedas pode superar o das famílias em 2018.

A Islândia é um país com uma população que ronda as 350 mil pessoas. Um dado relevante uma vez que, este ano, e pela primeira vez, o consumo energético necessário para a produção de criptomoedas – que está a crescer no país – deverá superar o consumo das famílias, alertou já uma das companhias de eletricidade do país, a HS Orka.

O jornal espanhol El País, que publica este domingo uma reportagem sobre o tema, conta que há várias instalações na Islândia com centenas de processadores dedicados a resolver as questões matemáticas e informáticas para criarem estes ativos.

Mas o que é que a Islândia tem para que esteja a produzir tantas criptomoedas? Frio e custos energéticos baixos. O El País relata que a temperatura média neste país ronda os quatro graus, o que acaba por se traduzir numa mais-valia. É que a produção de criptomoedas enfrenta um desafio: o aquecimento das máquinas, que trabalham durante todo o ano. As baixas temperaturas acabam por não permitir um forte aquecimento dos equipamentos, atuando como um sistema de arrefecimento natural. Além disso, o país tem uma forte aposta nas energias renováveis, tanto na geotérmica como a hídrica, o que faz com que os preços da energia sejam baixos.

Contudo, o forte consumo de energia requerido para a criação destes ativos já levou as agências ambientais a lançar a alertas. O Greenpeace, citado pelo El País, adianta que a procura por energia não para de crescer e que apenas um quinto dessa energia usada é produzida através de fontes renováveis.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O presidente do Novo Banco, António Ramalho, conversa com Teresa Leal Coelho (ausente da foto), presidente da Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, durante a audição na Assembleia da República, Lisboa, 21 de março de 2019.  ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Ramalho: “DG Comp não tem particular simpatia pelos bancos portugueses”

António Tomás Correia, presidente da Associação Mutualista Montepio Geral

( Gustavo Bom / Global Imagens )

ASF inicia processo de avaliação da idoneidade de Tomás Correia

Rodrigo Costa, CEO da REN Fotografia: MÁRIO CRUZ/LUSA

Rodrigo Costa: “Já pagámos 127,5 milhões” de CESE

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Islândia: Consumo de energia para criptomoedas superará o das famílias