Automóvel

Japão rejeita libertar Carlos Ghosn sob fiança por risco de destruição de provas

Carlos Ghosn. REUTERS/Benoit Tessier
Carlos Ghosn. REUTERS/Benoit Tessier

O tribunal de Tóquio rejeitou a libertação sob fiança de Carlos Ghosn, frustrando mais uma vez os pedidos dos advogados do ex-presidente da Nissan.

Ghosn está detido há quase dois meses no Japão por alegada má conduta financeira.

De acordo com a emissora nipónica NHK, o tribunal considerou que havia um risco de destruição de provas.

Ghosn foi detido a 19 de novembro por alegadamente ter falsificado relatórios financeiros que não reportavam os cerca de 5 bilhões de ienes (38 milhões de euros) que deveria receber ao longo de cinco anos, até 2015, acordados com a Nissan.

Já na passada sexta-feira, o executivo de 64 anos foi acusado pelo Tribunal Distrital de Tóquio de quebra de confiança e de esconder rendimentos da autoridade tributária, entre 2015 e 2018.

Nesse dia, e presente pela primeira vez em tribunal, Ghosn afirmou ter sido “falsamente acusado”, negando todas as acusações.

Durante a sessão de sexta-feira, o juiz já havia justificado a detenção prolongada de Ghosn com “risco de fuga e alteração das provas”.

Os advogados ainda podem recorrer da decisão mas se a mesma for confirmada por um segundo juiz Carlos Ghosn permanecerá em prisão preventiva pelo menos até 10 de março.

A medida pode ser prorrogada a pedido do Ministério Público por períodos renováveis de um mês.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

BCP

BCP propõe distribuir 30 milhões em dividendos

Miguel Maya, CEO do Millennium Bcp.
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Lucro do BCP sobe mais de 60% para 300 milhões em 2018

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Japão rejeita libertar Carlos Ghosn sob fiança por risco de destruição de provas