Automóvel

Japão rejeita libertar Carlos Ghosn sob fiança por risco de destruição de provas

Carlos Ghosn. REUTERS/Benoit Tessier
Carlos Ghosn. REUTERS/Benoit Tessier

O tribunal de Tóquio rejeitou a libertação sob fiança de Carlos Ghosn, frustrando mais uma vez os pedidos dos advogados do ex-presidente da Nissan.

Ghosn está detido há quase dois meses no Japão por alegada má conduta financeira.

De acordo com a emissora nipónica NHK, o tribunal considerou que havia um risco de destruição de provas.

Ghosn foi detido a 19 de novembro por alegadamente ter falsificado relatórios financeiros que não reportavam os cerca de 5 bilhões de ienes (38 milhões de euros) que deveria receber ao longo de cinco anos, até 2015, acordados com a Nissan.

Já na passada sexta-feira, o executivo de 64 anos foi acusado pelo Tribunal Distrital de Tóquio de quebra de confiança e de esconder rendimentos da autoridade tributária, entre 2015 e 2018.

Nesse dia, e presente pela primeira vez em tribunal, Ghosn afirmou ter sido “falsamente acusado”, negando todas as acusações.

Durante a sessão de sexta-feira, o juiz já havia justificado a detenção prolongada de Ghosn com “risco de fuga e alteração das provas”.

Os advogados ainda podem recorrer da decisão mas se a mesma for confirmada por um segundo juiz Carlos Ghosn permanecerá em prisão preventiva pelo menos até 10 de março.

A medida pode ser prorrogada a pedido do Ministério Público por períodos renováveis de um mês.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

Pardal Henriques, do SNMMP. 
(MANUEL DE ALMEIDA/LUSA)

Sem acordo “por 50 euros”, diz sindicato. “Querem impor aumento”, acusam patrões

O advogado e porta-voz do sindicato nacional dos motoristas, Pardal Henriques. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Pardal Henriques foi a personalidade mais mediática da greve

Outros conteúdos GMG
Japão rejeita libertar Carlos Ghosn sob fiança por risco de destruição de provas