Indústria

Joalharia com plano de promoção de 2,7 milhões de euros

Exponor_Portojoia 2

A Portojoia, a principal montra ibérica do sector, arranca esta quinta-feira na Exponor com enfoque especial nos jovens designers

O plano de promoção internacional da joalharia portuguesa está já aprovado e contempla um investimento de 2,7 milhões de euros nos próximos dois anos. O objetivo é levar cerca de 60 empresas a participar em 40 ações por ano, com especial destaque para a presença em feiras e missões comerciais no exterior. No mercado interno, arranca esta quinta-feira, dia 27, mais uma edição da Portojoia, a 29ª, com a participação de 164 expositores. Esperados são mais de 10 mil visitantes profissionais.

“Apesar da aposta crescente das empresas portuguesas na internacionalização, o mercado interno ainda é muito importante para a ourivesaria portuguesa, constituindo o seu principal motor de crescimento”, diz a diretora-geral da AORP, a associação do sector. Fátima Santos lembra que os 100 milhões de euros de exportações em 2017, um aumento de 27 milhões face ao ano anterior, representam apenas 10% das vendas globais da ourivesaria e joalharia nacional. Sem números relativos a 2018 ainda, a AORP admite que o crescimento este ano possa ser da ordem dos 10 milhões de euros. Aos 2,7 milhões do plano de promoção internacional da AORP juntam-se cerca de quatro milhões de euros dos investimentos em projetos individuais de internacionalização das próprias empresas.

Tudo isto sem descurar a atenção ao mercado nacional, no qual, por efeito do boom do turismo, se assiste a investimentos crescentes das empresas na abertura de espaços próprios. Só nos últimos anos, lembra Fátima Santos, abriram mais de uma dezenas de joalharias, de que são exemplos os investimentos de nomes grandes do sector como Eugénio Campos e Alcino Silversmith, bem como de Liliana Guerreiro ou o espaço Collectiva, plataforma independente que reúne jovens criadores.

A Portojoia, a principal montra ibérica do sector, assume, por isso, grande relevância para a indústria. E, este ano, há um grande enfoque nos jovens designers e nas marcas de autor, “o sangue novo que está a renovar” o sector. “Procuramos que a feira congregue o maior número de designers e conseguimos, este ano, atingir um recorde de mais de 40 novos criadores representados, é uma verdadeira incubadora do talento nacional”, diz Amélia Estevão, diretora da Portojoia.

Grande destaque desta edição, que termina domingo, na Exponor, em Matosinhos, é a iniciativa Arts & Jewels, que faz a união de jovens promessas da joalharia nacional com designers de diferentes áreas da moda e da arte no desenvolvimento de coleções exclusivas que serão apresentadas em primeira mão na Portojoia, que vão desde a associação das joias ao vestuário, ao calçado, aos óculos ou ao design gráfico. Lia Gonçalves, Ana Pina, Joana Santos e Very Bushwick são os jovens criadores de joias e que fazem parceria com Gonçalo Peixoto, Oupas, Nobrand e Mesh. “Ficamos muito satisfeitos que este possa ser o pontapé de saída para parcerias de futuro”, diz Amélia Estevão.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, João Leão (D), durante o debate e votação da proposta do orçamento suplementar para 2020, na Assembleia da República, em Lisboa, 17 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Bruxelas agrava projeção de contração em Portugal para 9,8%

Fotografia: Orlando Almeida/ Global Imagens.

SATA pede auxílio ao Estado no valor de 163 milhões de euros

Comissão Europeia, Bruxelas (REUTERS)

Bruxelas revê estimativas. Economia da zona euro deverá recuar 8,7% em 2020

Joalharia com plano de promoção de 2,7 milhões de euros