Joalharia portuguesa investe no Dubai para crescer na Ásia

Nova campanha internacional será apresentada ao mundo no pavilhão de Portugal da ExpoDubai, entre 19 e 25 de fevereiro. Setor conta com seis milhões de euros para a promoção internacional e a transição digital

Travessia é o tema da nova campanha internacional da ourivesaria e joalharia portuguesa, que hoje é apresentada em Lisboa, mas que será dada a conhecer ao mundo no pavilhão de Portugal da ExpoDubai, no decorrer da Semana da Joalharia Portuguesa, de 19 a 25 de fevereiro. O objetivo é usar o Dubai e os Emirados Árabes Unidos como porta de acesso ao mercado asiático, no qual o sector pretende reforçar a sua posição com um crescimento de 10% nos próximos cinco anos.

Com a pandemia, o setor perdeu, em 2020, quase metade das suas vendas. E dos 110 milhões que exportou então, cerca de 30 milhões foram para Hong Kong, que ocupava a terceira posição nos maiores destinos. Com a crescente instabilidade política no território, assiste-se a uma certa transferência do Oriente para o Médio Oriente como entreposto comercial. Além disso, o Dubai é, também, um ponto de encontro dos negócios africanos, o que leva o setor a querer aproveitar esta nova centralidade, designadamente participando na primeira edição da nova feira "Jewellery, Gem & Technology Dubai", onde "todos os players mundiais de destaque" marcarão presença, de 22 e 24 de fevereiro.

"Hong Kong figurava no nosso top 5 de exportações porque é um hub de distribuição para outros hemisférios. O objetivo no Dubai é criarmos uma consistência de exportação para a zona asiática. Nós temos incursões em Tóquio, na própria China, e na Austrália, e queríamos criar alguma consistência de empresas a exportar para estes mercados", diz Fátima Santos, secretária-geral da Associação de Ourivesaria e Relojoaria de Portugal (AORP). Nuno Marinho, presidente da associação, reitera, manifestando vontade de alargar as ações setoriais de promoção internacional, no futuro, "a mercados tão apetecíveis como a Coreia do Sul, no qual algumas empresas já vão apostando". Sobre a meta do aumento de 10% das exportações para o Médio Oriente assume que é um objetivo "modesto e conservador".

A presença no Dubai, que contempla o lançamento de uma nova coleção criada exclusivamente para o evento, a Crossings, faz parte de um ambicioso plano de investimento de seis milhões de euros, aprovado, ainda, no âmbito do Portugal 2020. Vai envolver cerca de 70 empresas, apoiando não apenas a sua presença em feiras e missões comerciais até meio de 2023, mas também a transição para a indústria 4.0 e o ambiente digital, entre outros.

Inspirada pelo Mar, esta é uma coleção que resulta de uma parceria entre cinco industriais e igual número de jovens portugueses que se destacam no mundo das artes, da cultura e do desporto, para o desenvolvimento de peças únicas, "demonstrativas da capacidade" da indústria na criação de peças inovadoras, no conceito e na forma. A Tavares 1922 associou-se a Jéssica Pina, cantora e trompetista; a Mesh Jewellery ao skater Gustavo Ribeiro; a Farilu criou uma peça em conjunto com Gaspar Varela, guitarrista; a Juliana Bezerra Jewellery trabalhou com a artista musical Blaya e a Megajoias teve como parceiro o ator Rafael Morais.

Sobre a campanha, Nuno Marinho explica que o tema traduz a posição do setor: "Estamos a fazer uma travessia de um período de dificuldades para um outro de grandes oportunidades, por via da transição digital, um chavão que é quase um cliché já mas ao qual não podemos escapar. É uma homenagem a todo o caminho que este setor tem vindo a fazer e vai continuar a fazer, mantendo sempre uma ligação ao seu passado e às suas origens, mas projetando simultaneamente uma imagem de modernidade e de progresso".

Fátima Santos complementa a ideia: "Quisemos provocar, para juntar aqui um lado mais empírico de respeito pela natureza, e todos sabemos que a ourivesaria portuguesa tem muito da tradição, do clássico, da manualidade, mas também este desafio que temos pela frente, de inovação e transformação tecnológica, que nos obriga seguir para terreno novo, que não conhecemos. Não sabemos o que aí vem, mas sabemos que esta travessia tem que ser feita".

Com conceito e produção a cargo da Silver Lining, a campanha "Travessia" resulta da direção criativa de Mafalda Morais, com Vladimiro Leopoldo (edição e realização do vídeo), João Castela (direção de fotografia), Lyft Creative Studio (Projection Mapping), Matilde Cunha (Fotografia), Ewa T (modelo), Sílvio Dalesia (modelo), Diogo Guerreiro (Modelo), Josiane Monteiro (modelo), Érica Sousa/André Quintal (Make up and Hair) e Ana Rito (Styling).

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de