juros da dívida

Juros da dívida de Portugal sobem a dois e cinco anos e caem a dez anos

Portugal

Os juros da dívida portuguesa estavam a subir a dois e cinco anos e a descer a dez anos face a quarta-feira, alinhados com os de Itália

Os juros da dívida portuguesa estavam hoje de manhã a subir a dois e cinco anos e a descer a dez anos face a quarta-feira, alinhados com os de Itália.

Cerca das 08:35 em Lisboa, os juros a dez anos estavam a cair para 1,761%, contra 1,764% na quarta-feira e o mínimo desde 16 de março de 2015, de 1,596%, em 30 de março deste ano.

Em 29 de maio, os juros a dez anos subiram até aos 2,161%, um máximo desde novembro de 2017.

Em sentido contrário, os juros a cinco anos estavam a subir, para 0,600%, contra 0,597% na quarta-feira e depois de terem descido em 29 de março para o mínimo de sempre, de 0,251%.

Em 29 de maio os juros tinham avançado até aos 1,002%, um máximo desde setembro de 2017.

No prazo de dois anos os juros também estavam a subir, para -0,105%, contra -0,106% na quarta-feira e o mínimo de sempre, de -0,401%, em 05 de dezembro de 2017.

Os juros a dois anos também subiram até ao máximo desde maio de 2017, de 0,257%, em 29 de maio.

Os juros de Espanha e Irlanda subiam a dois e cinco anos e mantinham-se a dez anos, enquanto os da Grécia recuavam a cinco e dez anos.

Juros da dívida soberana em Portugal, Grécia, Irlanda, Itália e Espanha cerca das 08:35:

2 anos…5 anos…10 anos

Portugal

12/07……-0,105….0,600……1,761

11/07……-0,106….0,597……1,764

Grécia

12/07…….n.disp…2,858……3,845

11/07…….n.disp…2,861……3,853

Irlanda

12/07……-0,519…-0,122……0,810

11/07……-0,517…-0,118……0,810

Itália

12/07…….0,793….1,833……2,679

11/07…….0,784….1,825……2,685

Espanha

12/07……-0,267….0,358……1,300

11/07……-0,270….0,357……1,300

Fonte: Bloomberg Valores de ‘bid’ (juros exigidos pelos investidores para comprarem dívida) que compara com fecho da última sessão.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, da Administração e do Emprego Público, Maria de Fátima Fonseca (E), dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (2-E), do Orçamento, João Leão (2-D), e do Tesouro, Álvaro Novo (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Conheça as principais medidas do Orçamento do Estado para 2019

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (E), do Orçamento, João Leão (2-D), e o Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Dos partidos aos sindicatos, passando pelo PR, as reações ao OE 2019

Outros conteúdos GMG
Juros da dívida de Portugal sobem a dois e cinco anos e caem a dez anos