Dívida

Juros da dívida portuguesa sobem a dois anos e caem a cinco e a 10 anos

Fotografia: REUTERS/Nacho Doce
Fotografia: REUTERS/Nacho Doce

Cerca das 08:30 em Lisboa, os juros a 10 anos estavam a recuar para 0,389%, contra 0,396% na sexta-feira e o atual mínimo de sempre, de 0,065% .

Os juros da dívida portuguesa estavam hoje a subir a dois anos e a descer a cinco e a 10 anos em relação a sexta-feira.

Cerca das 08:30 em Lisboa, os juros a 10 anos estavam a recuar para 0,389%, contra 0,396% na sexta-feira e o atual mínimo de sempre, de 0,065% em 15 de agosto.

No prazo de cinco anos, os juros, que entraram pela primeira vez em terreno negativo em 28 de maio, também estavam a recuar, para -0,106%, contra -0,100% na sexta-feira e o mínimo de sempre, de -0,374%, em 26 de agosto.

Em sentido contrário, os juros a dois anos estavam a subir para -0,490%, contra -0,491% no final da sessão de sexta-feira e contra o atual mínimo de sempre, de -0,684%, em 04 de setembro.

Os juros de Espanha mantinham-se a dois anos e recuavam a cinco e 10 anos, enquanto os da Grécia desciam em todos os prazos disponíveis.

Os juros de Itália desciam a dois e cinco anos e mantinham-se a 10 anos e os da Irlanda e Itália estavam a subir em todos os prazos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O presidente do Novo Banco, António Ramalho, discursa na cerimónia de lançamento do Projeto de Divulgação Cultural do Novo Banco. Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Banca custou ao Estado mais 1,5 mil milhões de euros em 2019, agora ajude

coronavirus portugal antonio costa

Proibidos ajuntamentos com mais de cinco pessoas. Aeroportos encerrados

O primeiro-ministro, António Costa, fala aos jornalistas no final da reunião do Conselho de Ministros após a Assembleia da República ter aprovado o decreto do Presidente da República que prolonga o estado de emergência até ao final do dia 17 de abril para combater a pandemia da covid-19, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 2 de abril de 2020. 
 MÁRIO CRUZ/POOL/LUSA

Mapa de férias pode ser aprovado e afixado mais tarde do que o habitual

Juros da dívida portuguesa sobem a dois anos e caem a cinco e a 10 anos