Governo

É oficial. Lacerda Machado já é assessor de António Costa

Fotografia: Miguel A. Lopes/Lusa
Fotografia: Miguel A. Lopes/Lusa

Diogo Lacerda Machado já tem contrato de prestação de serviços no governo.

Diogo Lacerda Machado, assessor de António Costa na alteração da propriedade do Estado na TAP, já foi oficializado como novo assessor do primeiro-ministro. O contrato está detalhado na página de contratação pública e dá conta de uma prestação de serviços para consultadoria estratégica e jurídica.

A entrada de Lacerda Machado no governo acontece por “ajuste direto” e envolve serviços durante um período de 281 dias. O preço contratual é de 17 mil euros, refere o contrato publicado esta sexta-feira.

O contrato iniciou-se esta quinta-feira, dia 14 de abril, e servirá o gabinete do primeiro-ministro, António Costa.

O primeiro-ministro, em entrevista ao Diário de Notícias e à TSF, afirmou que “por razões pessoais” o seu “melhor amigo há muitos anos” e com quem tem “uma relação muito próxima” não teve “condições para poder exercer funções governativas”.

António Costa adiantou ainda que o advogado atuou não só na situação da TAP como também na dos lesados do BES. É “uma pessoa que tem um jeito nato para procurar sentar as pessoas à mesa, para procurar encontrar soluções, para servir de mediador, para servir de conciliador e tem sido, aliás, bastante apreciado não só pelo Estado mas também pelos diferentes intervenientes”, disse Costa nesta entrevista, acrescentando que “ele interveio, também, na questão dos lesados do BES. E devo dizer-lhe que, sempre que entender que ele é útil nessa função e ele estiver disponível, ainda bem que posso contar com ele. Há outras pessoas a quem recorri no passado quando fui presidente de câmara”.

Foi nesta entrevista que Costa adiantou que estava em elaboração este contrato agora formalizado. “Olhe, acabámos por celebrar um contrato, porque as pessoas achavam que o facto de não haver nenhuma despesa do Estado com o tempo dedicado pelo Dr. Diogo Lacerda poderia…”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
É oficial. Lacerda Machado já é assessor de António Costa