FMI

Lagarde alerta para crescimento lento e insta governos a lutar contra corrupção

Christine Lagarde. Fotografia: REUTERS/Ng Han Guan
Christine Lagarde. Fotografia: REUTERS/Ng Han Guan

A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, alertou este domingo para o crescimento lento da economia devido a vários fatores como a desaceleração da economia chinesa e instou os governos a lutar contra a corrupção.

No primeiro dia da World Government Summit, realizada nos Emirados Árabes Unidos, Christine Largarde disse que as “tensões comerciais e aumentos de impostos, as restrições financeiras, a incerteza sobre o ‘Brexit’ e a desaceleração da economia chinesa” estão por detrás da desaceleração da economia.

“Estão a afetar o comércio, a confiança e os mercados”, disse.

A diretora-geral do FMI salientou que a economia mundial está num momento de “transformação” e que o futuro após a crise “permanece desconhecido”.

“O futuro do trabalho está a mudar radicalmente e, consequentemente, muitos serão diferentes. É uma combinação entre a globalização e a tecnologia e os empregos serão adaptados à inteligência artificial”, realçou.

Neste ponto, referiu Lagarde, “as políticas que abordam mudanças nos empregos são necessárias”.

“Os governos não devem apenas melhorar as economias dos países, mas devem também aumentar a qualidade de vida de seus cidadãos”, disse.

Christine Lagarde chamou também a atenção dos países a corrupção que, na sua opinião, “gera desconfiança e afeta o crescimento da economia”.

“Pedimos aos estados que não arruínem as suas economias, que apliquem a transparência e adotem boas políticas governamentais”, referiu.

A Cimeira começou este domingo no Dubai, com a participação de mais de 4.000 pessoas de 140 países, incluindo chefes de Estado, ministros e autoridades que se reúnem para discutir o futuro dos governos.

Representantes de mais de 150 países, incluindo Portugal, participam de hoje a terça-feira, no Dubai, no World Government Summit, onde líderes políticos, religiosos, económicos e sociais irão debater o futuro próximo do planeta.

Ao longo dos três dias, a governança nas suas várias valências será alvo de uma multiplicidade de olhares, debatendo como mitigar o risco da próxima epidemia global, como a consciência pode transformar a educação ou como definir propriedade intelectual na era da inteligência artificial.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Dos blueprints  dos primeiros automóveis, ao topo dos carros elétricos atuais, de elon Musk, em homenagem, a Nikolas Tesla.
Ilustração: VITOR HIGGS

Automóvel. Em 20 anos do euro mudou tudo, menos a carga fiscal e o líder

João Vieira Lopes, presidente da Confederação do Comércio e Serviços.
(Jorge Amaral/Global Imagens)

Vieira Lopes: “Metas do governo são realistas mas é preciso investimento”

A EDP, liderada por António Mexia, vai pagar o maior cheque de dividendos da bolsa nacional.

PSI20. Menos lucros mas o mesmo prémio aos acionistas

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Lagarde alerta para crescimento lento e insta governos a lutar contra corrupção