Turismo

Lançada plataforma de estações marítimas do Centro para atrair turismo náutico

Pedro Machado, presidente da Turismo Centro de Portugal. (Fotografia: Fernando Fontes/ Global Imagens)
Pedro Machado, presidente da Turismo Centro de Portugal. (Fotografia: Fernando Fontes/ Global Imagens)

A associação que representa o Centro quer facilitar a vida aos visitantes que chegam à região pelo mar.

Uma plataforma para ajudar visitantes que chegam à região Centro via de marítima foi lançada no Museu Marítimo de Ílhavo pelo Turismo Centro de Portugal, juntamente com as câmaras de Ílhavo, Figueira da Foz, Nazaré e Peniche.

A nova plataforma foi desenvolvida tecnicamente pela Altice e pela Wiremaze, sendo disponibilizada através de página na internet e de aplicações para telemóvel, como forma de dar resposta às necessidades específicas de quem viaja por mar e pretende atracar nas estações marítimas do Centro do país.

“A plataforma é um instrumento facilitador do usufruto dos destinos porque, além de dar informação útil, é também o agregador de outros produtos turísticos para que a experiência de quem nos visita não se esgote no contacto com o mar”, salientou o presidente do Turismo Centro de Portugal, Pedro Machado.

Para o presidente da entidade regional de turismo,”o turismo náutico é um dos produtos mais promissores da região”, que oferece uma multiplicidade de experiências possíveis ligadas ao mar, desde o surf à vela passando pelo wakesurf e o remo”. “Constitui por isso um passo importante na divulgação das potencialidades do Centro de Portugal”, disse.

O presidente da câmara anfitriã, Fernando Caçoilo, referiu-se à aposta náutica de Ílhavo a vários níveis, considerando essencial utilizar as novas tecnologias para aproveitar o enorme potencial da faixa atlântica.

Já Ana Carvalho, em representação da Câmara da Figueira da Foz, salientou que aquele município tem o seu plano estratégico muito focado no mar, dispondo de uma marina de recreio no centro da cidade perto do casino dos hotéis e restaurantes.

“Passam milhares de embarcações ao largo da Figueira da Foz que não entram por falta de comunicação. O desafio desta ferramenta é comunicar aos navegadores que a outros Portos além dos que já conhecem”, observou.

Da Câmara de Peniche esteve no lançamento Mark Ministro, que sublinhou a importância do trabalho em rede, que poderá ser alargado para além dos quatro municípios e considerou que o novo instrumento coloca também novos padrões de exigência à oferta local.

“Para além da obra física, também temos de fazer obra na facilitação da vida a quem nos visita”, justificou o presidente da Câmara da Nazaré, Walter Chichorro, referindo que “o mar é a capa de todos os projetos camarários de desenvolvimento”. “O mar é a capa, mas o turismo é a nossa principal indústria e no turismo náutico há muito trabalho ainda a fazer”, completou.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, da Administração e do Emprego Público, Maria de Fátima Fonseca (E), dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (2-E), do Orçamento, João Leão (2-D), e do Tesouro, Álvaro Novo (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Conheça as principais medidas do Orçamento do Estado para 2019

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (E), do Orçamento, João Leão (2-D), e o Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Dos partidos aos sindicatos, passando pelo PR, as reações ao OE 2019

Outros conteúdos GMG
Lançada plataforma de estações marítimas do Centro para atrair turismo náutico