Leão mal usou reserva do Estado de cerca de três mil milhões de euros

Orçamento do Estado contempla 2,984 mil milhões de euros em reservas e cativações para usar em caso de emergência e que acomodariam impacto direto de medidas para a pandemia.

João Leão mal usou, até maio, as reservas do Orçamento do Estado para 2021. Dos 2,984 mil milhões de euros previstos para situações de emergência e que necessitam de autorização das Finanças, foram usados pouco mais de 100 milhões de euros, escreve esta terça-feira o Jornal de Negócios com base no relatório de evolução orçamental redigido pela Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO).

As medidas necessárias para o combate ao coronavírus já tiveram um impacto direto de 2,716 mil milhões de euros. Mas "até ao final de maio de 2021, a utilização destas dotações de despesa foi residual", escreve a UTAO.

Até agora, apenas foram gastos menos de 100 milhões de euros dos 691 milhões reservados para as cativações e menos de 50 milhões dos mais de 300 milhões de euros da reserva orçamental.

Intocados ficaram os 500 milhões de euros para acomodar despesas imprevistas da pandemia; 493 milhões de euros da dotação provisional; quase 200 milhões de euros do IVAucher; e 50 milhões de euros para a contrapartida nacional para investimento cofinanciado por fundos europeus.

O ministério das Finanças afasta a necessidade de um orçamento retificativo para acomodar as despesas extraordinárias relativas ao segundo confinamento, em declarações à mesma publicação.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de