Lei da Cópia Privada vai prejudicar empresas portuguesas

Luís Reis, presidente da Confederação dos Serviços de Portugal
Luís Reis, presidente da Confederação dos Serviços de Portugal

A proposta de lei da Cópia Privada vai fomentar as importações, prejudicar as empresas portuguesas e afetar a cobrança de IVA e IRC por parte do Estado, defende a Confederação dos Serviços de Portugal, em carta enviada a Pedro Passos Coelho.

Aliás, argumenta a confederação, esta lei irá alienar, ao longo dos próximos 24 meses, 30% do mercado português da eletrónica de consumo, ao mesmo tempo que terá efeitos negativos sobre a balança de pagamentos nacional e acabará por se refletir, na melhor das hipóteses, num efeito neutro sobre o défice das contas públicas.

À semelhança do Projeto de Lei n.º 118/XII, apresentado pelo Partido Socialista em 2012, a proposta de lei agora apresentada visa aumentar as taxas a cobrar sobre o preço de venda de aparelhos de fixação e reprodução de obras e prestações, alargando o âmbito de aplicação a telemóveis, tablets, pens e discos rígidos e limitando a taxa máxima a 25 euros.

“A ser aprovada, esta proposta seria causadora de uma grave entropia no desenvolvimento da economia digital do país, contribuindo para o desalinhamento com o mercado único e com a agenda digital da União Europeia”, pode ler-se na carta assinada por Luís Reis, presidente da CSP.

O próprio presidente do Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, “defende ser imperioso quebrar as barreiras nacionais e reformar as regras relativas ao direito de autor”, tendo em conta a revolução digital e os novos comportamentos dos consumidores.

A confederação refere ainda que, no mercado da eletrónica de consumo, “algumas das grandes empresas que operam a nível global são fortes concorrentes das empresas nacionais e que o aumento dos preços que se encontra previsto neste diploma constituiria um fortíssimo incentivo à importação de bens por parte do consumidor final”. Isto porque, em diversos casos, o montante da taxa a aplicar a um produto (que pode chegar aos 25 euros) irá exceder os portes de envio da importação desse mesmo produto.

Assim, a CSP pede ao primeiro-ministro que “aguarde pela estabilização do quadro legal comunitário relativo à economia digital, onde se inclui a questão da cópia privada, de modo a que tanto os agentes económicos como os criadores culturais ou de qualquer obra protegida possam finalmente dispor de um quadro normativo adequado ao desenvolvimento das suas actividades”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Negociações com professores arrancam a 15 de dezembro. Governo lembra que até 2021 todos progridem
( Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens )

Na função pública 440 mil sobem por notas e 220 mil por tempo

Eurico Brilhante Dias

“No investimento precisamos de dar um salto equivalente ao das exportações”

Marco Schroeder

Marco Schroeder renuncia a cargo de CEO da Oi

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Conteúdo TUI
Lei da Cópia Privada vai prejudicar empresas portuguesas