Lei original das pensões vitalícias é de Soares e Rui Machete

ng3121935

Foi Rui Machete, “primeiro-ministro em exercício” em março de 1985, e atualmente ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, que assinou e referendou a lei original das remunerações dos políticos e o regime das pensões vitalícias nela incluído. A proposta partiu do Governo do bloco central de então (PS/PSD), liderado por Mário Soares.

Em outubro de 1984, o Governo de Soares e Machete avançaria com a proposta de lei 88/III que, após várias alterações, acabaria por ser aprovada no Parlamento com os votos favoráveis do PS e do PSD, dando origem ao primeiro “Estatuto remuneratório dos titulares de cargos políticos” (Lei n.º 4/85, de 9 de Abril).

Essa versão original começa por definir as regras dos ordenados dos políticos, grupo no qual figuram Presidente da República, membros do Governo; deputados, ministros da República para as regiões autónomas, membros do Conselho de Estado e os juízes do Tribunal Constitucional por equiparação.

É no artigo 24º do diploma que aparece o direito à Subvenção mensal vitalícia. Quem pode receber? “Os membros do Governo, os deputados à Assembleia da República e os juízes do Tribunal Constitucional que não sejam magistrados de carreira têm direito a uma subvenção mensal vitalícia desde que tenham exercido os cargos ou desempenhado as respectivas funções após 25 de Abril de 1974 durante 8 ou mais anos, consecutivos ou interpolados”. Em 1995, estes 8 anos passaram a 12 por iniciativa do Governo de Cavaco Silva. No entanto, este acrescentaria ao rol de beneficiários “Governador e secretários adjuntos de Macau”.

Almeida Santos defendeu posição do GovernoFoi António Almeida Santos (PS), um dos atuais beneficiários do regime vitalício, que defendeu a proposta do Governo na Assembleia da República (AR).

Na altura era ministro de Estado. O seu argumento central a favor do estatuto dos políticos foi: “O que eu entendo é que se estamos à procura de uma oportunidade para dignificar a classe política, para também fazer justiça à classe política, para termos uma classe política ao nível das outras democracias, às quais queremos pertencer e emparelhar no âmbito da CEE, se assim é, se queremos ultrapassar a fase do amadorismo, a fase do biscate, a fase de estarmos aqui um bocadinho e irmos fazer uma minuta ou acabarmos de assinar um projecto, se é essa a nossa concepção de classe política nunca mais teremos democracia em Portugal”, reza o diário do Parlamento, que relata a sessão de 7 de dezembro de 1984.

Perante os ataques de vários deputados do PCP (José Magalhães, Carlos Brito) e de Raul de Castro (MDP/CDE), que questionaram por que razão o Governo não iria ser tão generoso com os restantes trabalhadores portugueses, Almeida Santos ripostava: “Quanto a saber se vamos aumentar todas as camadas da população ao nível dos europeus, já referi que mesmo depois desta correcção ainda ficamos abaixo dos níveis europeus. Também já disse que a classe política é a classe política e o resto do País é o resto do País”.

PCP contra aumentos, CDS contra porque queria maisA lei esteve cerca de dois meses em discussão, tendo sido votada na generalidade no Parlamento a 7 de dezembro de 1984. Seria “aprovada, com votos a favor do PS, do PSD, da ASDI e do deputado do CDS Luís Beiroco, votos contra do PCP, do CDS, do MDP/CDE e do deputado independente António Gonzalez e as abstenções da UEDS e o deputado do CDS Neiva Correia”.

De acordo com os registos parlamentares oficiais (Diário da AR), o PCP foi o partido que mais protestou contra o regime que abonava os políticos de forma desproporcionada face ao resto da população, argumentaram na altura os comunistas. O CDS votou contra porque queria vencimentos e privilégios mais elevados do que previa a proposta do Governo PS/PSD.

O diploma viria a ser promulgado a 14 de março de 1985 pelo Presidente da República, António Ramalho Eanes, e referendado em 18 de Março de 1985 pelo “Primeiro-Ministro, em exercício, Rui Manuel Parente Chancerelle de Machete”. Mário Soares estaria fora do país na altura.

O fim das vitalícias, mas não dos direitos adquiridosAs normas das pensões vitalícias só viriam a ser extintas 20 anos depois, pelo Governo de José Sócrates (PS), em 2005. Em outubro desse ano, os socialistas revogaram o regime, mas mantiveram direitos adquiridos. Portanto, todos os políticos que acumularam 12 anos de carreira ou mais até 2005 podem pedir a benesse.

Para além daqueles titulares, a lei de 1985 diz que “os ex-Presidentes da República na vigência da Constituição da República beneficiam de regime próprio de subvenção mensal vitalícia, definido em lei especial” e “os ex-Presidentes da Assembleia da República e os ex-Primeiros-Ministros na vigência da Constituição da República” também têm direito.

A pensão vitalícia “é calculada à razão de 4% do vencimento base correspondente à data da cessação de funções do cargo em cujo desempenho o seu titular mais tempo tiver permanecido, por ano de exercício, até ao limite de 80%”, diz o diploma original aprovado.

“Quando o beneficiário da subvenção perfaça 60 anos de idade ou se encontre incapacitado, a percentagem referida no número anterior passará a ser de 8%” e “a subvenção mensal vitalícia é automaticamente actualizada nos termos da actualização do vencimento base do seu cálculo”. Define ainda o direito a ajudas de custo e a atribuição de carros oficiais aos titulares.

Segundo o Diário Económico, em 2012, as subvenções pagas custaram mais de nove milhões de euros, beneficiando quase 400 ex-políticos, a uma média de 2300 euros mensais cada.

No rol estão Carlos Melancia, Almeida Santos, Manuela Ferreira Leite, Bagão Félix, António Vitorino, Joaquim Ferreira do Amaral, Armando Vara e outros. Pedro Santana Lopes, Odete Santos, João Cravinho, Luís Marques Mendes são outros nomes que costumam ser referidos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Jogo Online é regulado desde 2015

Jogo Online atrai 100 mil novos apostadores a cada trimestre

Jogo Online é regulado desde 2015

Jogo Online atrai 100 mil novos apostadores a cada trimestre

O primeiro-ministro indigitado, António Costa, à chegada para uma audiência com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, para apresentação da lista de nomes propostos para secretários de Estado do XXII Governo Constitucional, no Palácio de Belém, em Lisboa, 21 de outubro de 2019. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Conheça os secretários de Estado do novo Governo

Outros conteúdos GMG
Lei original das pensões vitalícias é de Soares e Rui Machete