vinhos

Leonor Freitas. Do serviço social para os vinhos

Leonor Freitas

É a responsável pela profissionalização da Casa Ermelinda Freitas

A Casa Ermelinda Freitas é uma empresa feita essencialmente no feminino. Mulheres que ficaram viúvas muito cedo e que abraçaram a responsabilidade de gerir a propriedade familiar, em Palmela. A morte do pai obrigou Leonor, filha única, a decidir se vendia a quinta ou se assumia o negócio. Mulher de afetos, deixou o serviço social, contratou um jovem enólogo – “eu não sabia fazer vinho”, reconhece – e iniciou a fase de profissionalização da empresa. Cria a marca Casa Ermelinda Freitas, em homenagem à mãe, e inicia de imediato a internacionalização dos vinhos. Recebe uma propriedade com 60 hectares de vinha de duas castas e transformou-a em 440 hectares de 29 castas. Acabou de inaugurar uma moderna adega, em que investiu oito milhões, que permite duplicar a capacidade produtiva para 15 milhões de litros. A faturação passou dos cinco mil euros para os 17 milhões de euros de 2015. As exportações representam 40% das vendas, mas o objetivo é reforçar. Europa, Brasil e Colômbia são alguns dos principais mercados.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O ministro das Finanças, Mário Centeno, intervém durante a  conferência "Para onde vai a Europa?", na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, 22 de março de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

Próximo governo vai carregar mais 8 mil milhões em dívida face ao previsto

O ministro das Finanças, Mário Centeno, intervém durante a  conferência "Para onde vai a Europa?", na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, 22 de março de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

Próximo governo vai carregar mais 8 mil milhões em dívida face ao previsto

Motoristas de matérias perigosas em greve concentrados na Companhia Logística de Combustiveis - CLC.
Fotografia: Paulo Spranger / Global Imagens

Combustíveis. Sindicato conseguiu mais 200 sócios com greve

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Leonor Freitas. Do serviço social para os vinhos