Ranking

Lisboetas entre os mais preocupados do mundo com o preço das casas

Fotografia: Paulo Spranger/Global Imagens
Fotografia: Paulo Spranger/Global Imagens

A capital portuguesa figura na posição 76 do novo ranking sobre cidades inteligentes do instituto suíço IMD que é liderado por Singapura.

Para 80% dos lisboetas, uma casa a preços acessíveis é a maior prioridade de entre 15 indicadores de avaliação da cidade. A capital portuguesa figura nos primeiros lugares entre 102 cidades de todo o mundo em que esta é considerada pelos habitantes a área mais prioritária.

Lisboa está a par de cidades como Nova Iorque, São Francisco ou Seattle, nos Estados Unidos, ou a capital alemã, Berlim, ou Toronto, no Canadá.

Estes dados resultam do primeiro ranking sobre cidades inteligentes (smart cities) – “Smart City Index” (SCI) – elaborado pelo instituto suíço IMD e que foi divulgado esta quinta-feira. Trata-se de uma lista de áreas urbanas em que se procura alinhar as necessidades dos habitantes e as políticas que são adotadas. “Ser uma cidade “inteligente” reconhecida globalmente é fundamental para atrair investimentos e talentos, criando um potencial “ciclo virtuoso”, lembra o instituto suíço que inquiriu 120 residentes sobre a perceção que têm da cidade onde vivem.

Baixa classificação
Lisboa aparece na posição número 76 entre 102 cidades avaliadas neste estudo, estando inserida no grupo com a notação CCC, ao lado de cidades como Roma, Nova Deli, Cracóvia, Moscovo ou Ancara.

Os lisboetas também classificam mal a cidade no que toca à congestão automóvel, aos transportes públicos ou à corrupção.

Lisboa aparece acima da média em áreas como o saneamento básico, a segurança pública, os espaços verdes ou as atividades culturais, esta última com 82,9% dos inquiridos a responderem que a oferta é satisfatória.
Por outro lado, os habitantes da capital queixam-se de não serem ouvidos pelo poder político, com pouco peso nas decisões que são tomadas no município.

Singapura é a mais “inteligente”
No ranking do IMD, Singapura é considerada a cidade “mais inteligente” entre as 102 analisadas. Na lista das 10 cidades de topo, surgem Zurique, Oslo, Genebra, Copenhaga, Auckland, Taipei, Helsínquia, Bilbau e Dusseldorf.

O estudo apresentado pelo International Institute for Management Development (IMD) avalia a perceção dos cidadãos sobre o “alcance e o impacto dos esforços para tornar as suas cidades ‘inteligentes’, equilibrando os aspetos económicos e tecnológicos com a dimensão humana”, refere o comunicado do IMD.

“As cidades inteligentes estão a tornar-se ímanes de investimento, talento e comércio. No entanto, uma parte significativa dos esforços e energia gastos parece desconectada das aspirações de longo prazo dos seus cidadãos. Sem o apoio e o envolvimento dos cidadãos, as cidades inteligentes podem não ser sustentáveis. O SCI pretende preencher uma lacuna, sendo uma referência e ferramenta de ação para construir cidades inclusivas e dinâmicas”, refere Bruno Lanvin, presidente do Observatório das Cidades Inteligentes do IMD, citado no comunicado emitido esta quinta-feira.

“O desempenho económico de cada cidade é profundamente influenciado pelo contexto”, refere o IMD, acrescentando que “grandes centros como São Francisco (12º) ou Londres (20º) figuram no top 20. Mas cidades de dimensão mais reduzida, como Bilbau (9º) – com uma população abaixo das 500 mil pessoas –, figura numa posição notavelmente alta”, indica o IMD.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Ministro de Estado, da Economia e Transição Digital, Pedro Siza Vieira. TIAGO PETINGA/LUSA

Moratórias bancárias estendidas até final de setembro de 2021

covid-19 portugal corona virus

Emprego público sobe 0,9% com contratações da saúde e oficinas da CP

A ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, Mariana Vieira da Silva TIAGO PETINGA/POOL/LUSA

Prorrogada situação de contingência em Portugal continental até 14 de outubro

Lisboetas entre os mais preocupados do mundo com o preço das casas