Ranking

Lisboetas entre os mais preocupados do mundo com o preço das casas

(Paulo Spranger/Global Imagens)
(Paulo Spranger/Global Imagens)

A capital portuguesa figura na posição 76 do novo ranking sobre cidades inteligentes do instituto suíço IMD que é liderado por Singapura.

Para 80% dos lisboetas, uma casa a preços acessíveis é a maior prioridade de entre 15 indicadores de avaliação da cidade. A capital portuguesa figura nos primeiros lugares entre 102 cidades de todo o mundo em que esta é considerada pelos habitantes a área mais prioritária.

Lisboa está a par de cidades como Nova Iorque, São Francisco ou Seattle, nos Estados Unidos, ou a capital alemã, Berlim, ou Toronto, no Canadá.

Estes dados resultam do primeiro ranking sobre cidades inteligentes (smart cities) – “Smart City Index” (SCI) – elaborado pelo instituto suíço IMD e que foi divulgado esta quinta-feira. Trata-se de uma lista de áreas urbanas em que se procura alinhar as necessidades dos habitantes e as políticas que são adotadas. “Ser uma cidade “inteligente” reconhecida globalmente é fundamental para atrair investimentos e talentos, criando um potencial “ciclo virtuoso”, lembra o instituto suíço que inquiriu 120 residentes sobre a perceção que têm da cidade onde vivem.

Baixa classificação
Lisboa aparece na posição número 76 entre 102 cidades avaliadas neste estudo, estando inserida no grupo com a notação CCC, ao lado de cidades como Roma, Nova Deli, Cracóvia, Moscovo ou Ancara.

Os lisboetas também classificam mal a cidade no que toca à congestão automóvel, aos transportes públicos ou à corrupção.

Lisboa aparece acima da média em áreas como o saneamento básico, a segurança pública, os espaços verdes ou as atividades culturais, esta última com 82,9% dos inquiridos a responderem que a oferta é satisfatória.
Por outro lado, os habitantes da capital queixam-se de não serem ouvidos pelo poder político, com pouco peso nas decisões que são tomadas no município.

Singapura é a mais “inteligente”
No ranking do IMD, Singapura é considerada a cidade “mais inteligente” entre as 102 analisadas. Na lista das 10 cidades de topo, surgem Zurique, Oslo, Genebra, Copenhaga, Auckland, Taipei, Helsínquia, Bilbau e Dusseldorf.

O estudo apresentado pelo International Institute for Management Development (IMD) avalia a perceção dos cidadãos sobre o “alcance e o impacto dos esforços para tornar as suas cidades ‘inteligentes’, equilibrando os aspetos económicos e tecnológicos com a dimensão humana”, refere o comunicado do IMD.

“As cidades inteligentes estão a tornar-se ímanes de investimento, talento e comércio. No entanto, uma parte significativa dos esforços e energia gastos parece desconectada das aspirações de longo prazo dos seus cidadãos. Sem o apoio e o envolvimento dos cidadãos, as cidades inteligentes podem não ser sustentáveis. O SCI pretende preencher uma lacuna, sendo uma referência e ferramenta de ação para construir cidades inclusivas e dinâmicas”, refere Bruno Lanvin, presidente do Observatório das Cidades Inteligentes do IMD, citado no comunicado emitido esta quinta-feira.

“O desempenho económico de cada cidade é profundamente influenciado pelo contexto”, refere o IMD, acrescentando que “grandes centros como São Francisco (12º) ou Londres (20º) figuram no top 20. Mas cidades de dimensão mais reduzida, como Bilbau (9º) – com uma população abaixo das 500 mil pessoas –, figura numa posição notavelmente alta”, indica o IMD.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Alberto Souto de Miranda
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Governo. “Participar no capital” dos CTT é via “em aberto”

Congresso APDC

“Temos um responsável da regulação que não regula”

Congresso APDC

Governo. Banda larga deve fazer parte do serviço universal

Outros conteúdos GMG
Lisboetas entre os mais preocupados do mundo com o preço das casas