Dinheiro Vivo TV

Live. Setembro arranca com nova greve de motoristas de matérias perigosas

A carregar player...

A partir de sábado, dia 7 de setembro, os motoristas de matérias perigosas arrancam com nova greve - mas há mais acontecimentos na agenda da semana.

A primeira semana de setembro arranca com a CMVM a divulgar os indicadores estatísticos mensais do mercado de capitais.

Na terça-feira, o Banco de Portugal revela os indicadores sobre os empréstimos concedidos pelo setor financeiro e ainda indicadores sobre as taxas de juro de empréstimos bancários, relativos a julho.

A meio da semana, a Associação Portuguesa de Bancos reúne-se com os sindicatos do setor. Trata-se de uma nova ronda negocial para a revisão do Acordo Coletivo de Trabalho e a reunião conta com a participação do Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários, do Sindicato dos Bancários do Norte e ainda do Sindicato Independente da Banca.

No mesmo dia, o Eurostat divulga o volume de negócios nos serviços, relativos ao segundo trimestre, e os dados do comércio a retalho, para julho.

Na quinta-feira, o Banco de Portugal divulga as estatísticas sobre os mercados financeiros, relativas ao mês de agosto.

Na sexta-feira, termina o prazo de entrega de candidaturas para o cargo de diretor-geral do Fundo Monetário Internacional. A búlgara Kristalina Georgieva deverá ser a próxima diretora-geral do FMI, após ter sido eleita como candidata europeia.

No mesmo dia, arranca em Berlim a IFA, uma das principais feiras europeias de eletrónica de consumo. Ao longo de quase uma semana, vão ser apresentadas as novidades tecnológicas que vão chegar ao mercado ao longo dos próximos meses.

Com a greve dos motoristas de matérias perigosas a arrancar no sábado, dia 7 de setembro, é expectável que sejam decretados os serviços mínimos ao longo da semana. Os serviços mínimos precisam de ser decretados até 48 horas antes do arranque da greve.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Foto: REUTERS/Rafael Marchante

Portugal entre os países europeus que ficaram mais desiguais

Foto: REUTERS/Rafael Marchante

Portugal entre os países europeus que ficaram mais desiguais

Angel Gurria, secretário-geral da OCDE. Fotografia: EPA/Mario Guzmán

OCDE mais pessimista. Sinais vermelhos para a economia

Outros conteúdos GMG
Live. Setembro arranca com nova greve de motoristas de matérias perigosas