Energia

Luz e gás. Ofertas sem contratação de serviços extra saem mais caras

bright-1847006_1280

A conclusão é dos mais recentes boletins de ofertas comerciais de eletricidade e gás da ERSE. A diferença pode chegar a ser de mais 68 euros por ano.

No segundo trimestre de 2019, entre abril e junho, a oferta mais barata de eletricidade para um casal com dois filhos pertencia à Galp Energia, com uma fatura anual de 1068 euros, que corresponde a um desconto de -5% nos preços e a uma poupança de 58 euros por ano em relação à tarifa regulada (1126 euros).

No entanto, sublinha o mais recente boletim da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), esta é uma “oferta condicionada”, ou seja, para obtê-la é necessário subscrever a tarifa Galp Continente, com descontos cruzados entre combustíveis, eletricidade e compras no supermercado. Portanto, para poupar na energia em casa, o consumidor tem de gastar nos combustíveis da mesma marca e em produtos alimentares de uma marca parceira no retalho.

Para as famílias que optassem por uma maior liberdade e não quisessem estar sujeitas a estas condições de consumo, a oferta mais barata era então a Tarifa Simples de eletricidade da Endesa, com uma fatura anual 11 euros mais cara, de 1079 euros, que corresponde a um desconto de -4% e uma poupança de 47 euros/ano face à tarifa regulada.

Já nas ofertas duais – gás e eletricidade em conjunto – a mais barata pertencia à EDP Comercial no segundo semestre, com a tarifa Desconto de Amigo (sujeita à contratação de mais um novo cliente) a valer uma fatura anual de 1131 euros, menos 80 euros do que a tarifa regulada e menos 6 euros do que a Tarifa Simples da Endesa, que não acarreta condicionantes extra na oferta. À sua disposição, as famílias com dois filhos tinham 116 ofertas diferentes de eletricidade.

No caso de um casal com quatro filhos, a eletricidade mais barata nas ofertas condicionadas era a tarifa Galp Continente (2255 euros), enquanto sem condições extra pagavam 2323 euros com a Goldenergy, ou seja, mais 68 euros por ano nesta segunda opção.

E para um casal sem filhos a conta anual de luz saldava-se entre abril de junho em 443 euros para os sócios do Automóvel Clube Portugal que aderissem à tarifa Monoelétrico ACP da Goldenergy. Nas ofertas não condicionadas a mais barata era também da Goldenergy para este consumidor-tipo: 453 euros (mais 10 euros para não estar sujeito a condições contratuais).

Nos três meses a que se refere o boletim da ERSE existiam 19 comercializadores com ofertas de eletricidade e sete com ofertas duais. No gás, eram nove as comercializadoras com ofertas.

No boletim da ERSE que diz respeito às ofertas comerciais de gás natural, a maior poupança para um casal com dois filhos surge com a Tarifa Simples da Endesa com 259 euros anuais, que corresponde a uma poupança de 9% e menos 25 euros face à tarifa regulada.

Para uma família numerosa (quatro filhos), a tarifa mais baixa regista no gás foi a da Galp Energia (Galp Continente), por 545 euros/ano. Fora das ofertas condicionadas a tarifa regulada é a mais barata para estes consumidores (556 euros), seguindo-se a tarifa e-gás da Endesa (560 euros).

Numa casa só com dois adultos, a Tarifa Simples da Endesa volta a ser a mais barata (136 por ano pelo consumo de gás), correspondendo a um desconto de -9% e uma redução de 13 euros face à tarifa regulada para este consumidor-tipo (149 euros).

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
President of the European Commission Ursula von der Leyen (L) and President of the European Council Charles Michel give a press conference during the second day of a special European Council summit in Brussels on February 21, 2020, held to discuss the next long-term budget of the European Union (EU). (Photo by kenzo tribouillard / AFP)

Conselho Europeu termina em Bruxelas sem acordo

Diretor-geral da fábrica da PSA Mangualde, José Maria Castro, fotografado na linha de montagem. (Fernando Fontes / Global Imagens )

Futuro da PSA Mangualde depende de apoio do Governo a projeto de 18 milhões

O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, discursa durante o almoço-debate "Os Desafios da Ferrovia: Infraestrutura, Serviços e Indústria", organizado pelo International Club of Portugal num hotel de Lisboa, 21 de fevereiro de 2020. TIAGO PETINGA/LUSA

Prejuízo da TAP “não foi um desvio qualquer” e já devia ter tido lucro

Luz e gás. Ofertas sem contratação de serviços extra saem mais caras