Transporte aéreo

Madeira assegura viagens aéreas a 65 euros para estudantes universitários

janela-avião-ebfb6844ce2e073f1c08f308892e9d7f0853668e

A medida entra em vigor em novembro e cobre apenas quatro viagens (ida e volta) no presente ano letivo.

Os estudantes universitários madeirenses vão pagar 65 euros nas viagens aéreas entre a região e o continente no ano letivo de 2018/2019, anunciou esta quarta-feira o Governo Regional, indicando que a operação abrange quatro viagens.

“Esta solução visa resolver um problema social, devido à prática de preços pornográficos, sobretudo pela companhia que tem a maioria do capital do Estado [a TAP] e sobretudo nas alturas de pico”, afirmou o chefe do executivo, Miguel Albuquerque, em conferência de imprensa no Funchal.

A medida entra em vigor em novembro e cobre apenas quatro viagens (ida e volta) no presente ano letivo, sendo que o objetivo é garantir passagens ao preço estipulado no subsídio de mobilidade – 65 euros para estudantes – nomeadamente nos dois períodos de maior procura: Natal/ fim de ano e Páscoa.

Com este modelo, os estudantes pagarão nas agências de viagem aderentes os 65 euros no ato da reserva e o Governo Regional assumirá o pagamento do restante até um teto de 400 euros por bilhete. Se o preço da passagem for superior a este valor, o estudante terá de assumir o remanescente.

“Esta iniciativa do Governo da Região Autónoma da Madeira é para solucionar um problema que tem afetado muito as famílias madeirenses e porto-santenses, que é o adiantamento de verbas na compra de passagens relativamente aos estudantes universitários que estão no continente”, explicou Miguel Albuquerque, sublinhando que o Governo da República devia servir-se deste exemplo para agilizar o subsídio de mobilidade.

Atualmente, o subsídio garante viagens aéreas entre a Madeira e o continente a 65 euros para estudantes e 86 euros para residentes, contudo as companhias praticam preços muito superiores, por vezes mais de 500 euros, valor que é obrigatoriamente pago pelo passageiro, sendo reembolsado após a viagem.

“Isto tem obrigado ao adiantamento por parte das famílias de verbas exorbitantes para que os seus filhos possam cumprir aquilo que é elementar num Estado de direito e num Estado social, que é o acesso ao ensino superior”, disse Miguel Albuquerque.

O presidente do executivo sublinhou que o Governo da República, que é responsável pelo subsídio, só não encontra uma “solução prática” para “facilitar” a mobilidade dos madeirenses porque “não quer”.

“Esta questão já podia estar resolvida há muito tempo se houvesse vontade política para a resolver. Não resolvem porque não querem. Não resolvem porque a mobilidade dos madeirenses e porto-santenses não é importante no contexto nacional”, disse.

As autoridades regionais estimam que cerca de seis mil madeirenses estudam atualmente nas universidades do continente.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(Artur Machado / Global Imagens)

Dinheiro Vivo mantém-se líder digital dos económicos

A presidente da Fundação Calouste Gulbenkian, Isabel Mota, conversa com o presidente e CEO da PTT Exploration and Production (PTTEP), Phongsthorn Thavisin durante a conferência de imprensa de anúncio da venda da Partex à empresa tailandesa, na sede da fundação em Lisboa
TIAGO PETINGA/LUSA

Gulbenkian vende negócio do petróleo e gás. Onde vai investir agora?

Fotografia: D.R.

Deficiência. Peritos aconselham troca de benefícios fiscais por outros apoios

Outros conteúdos GMG
Madeira assegura viagens aéreas a 65 euros para estudantes universitários