Segundo referendo

Maioria dos britânicos rejeitaria agora o Brexit

Um homem segura uma bandeira anti-Brexit na ponte de Westminster, em Londres. (Na bandeira: "Brexit, valerá a pena?") Julho de 2018. REUTERS/Yves Herman/
Um homem segura uma bandeira anti-Brexit na ponte de Westminster, em Londres. (Na bandeira: "Brexit, valerá a pena?") Julho de 2018. REUTERS/Yves Herman/

Um estudo realizado recentemente indica que, se houvesse um novo referendo, mais de metade dos britânicos votaria a favor da permanência na UE.

O impasse na conclusão de um acordo para a saída do Reino Unido da União Europeia – previsto para 29 de março de 2019 -, tem levado à penalização da divisa britânica e da própria economia. É exatamente por isso que o ceticismo dos britânicos continua a crescer. Segundo um estudo da NatCen, citado pela Bloomberg, à medida que o tempo passa, os britânicos têm cada vez mais receio de que um acordo de saída possa prejudicar a economia. O mesmo estudo revela que, se houvesse um segundo referendo, a maioria dos britânicos votaria contra o Brexit.

O estudo foi feito com base em entrevistas a mais de 2 mil pessoas, comparando as respostas às mesmas perguntas nos últimos dois anos. Os resultados mostram que 59% votaria a favor da permanência no Reino Unido, contra os 48,1% registados em junho de 2016. No referendo feito em junho de 2016, mais de metade dos ingleses votaram a favor da saída do Reino Unido da União Europeia (51,9% contra 48,1%).

Os britânicos estão mais críticos agora sobre a forma como o governo está a gerir a saída do país da UE. Neste momento, uma das questões que está a dificultar o processo é a da fronteira entre a Irlanda do Norte (parte do Reino Unido) e a República da Irlanda (parte da UE).

Contudo, estes impasses têm tido efeitos. Os estudos apontam ainda para que a economia britânica já esteja a sofrê-los mesmo antes de sair da União Europeia. O banco suíço UBS revelou esta semana que o Brexit já custou o equivalente a “2% do PIB” à economia do Reino Unido.

A chefe de governo britânica, Theresa May, já garantiu que não vai avançar com um segundo referendo, até porque, disse, avançar sem acordo, “não seria o fim do mundo”. Os partidos da oposição e os sindicatos já se mostraram contra e um dos maiores sindicatos britânicos, o GMB – representante dos setores do retalho, energia e serviços públicos – tem mesmo apoiado uma campanha para um novo referendo ao acordo que está em cima da mesa para o Brexit. Já o principal partido da oposição liderado por Jeremy Corbyn, o Partido Trabalhista, manifestou-se no verão passado pela manutenção do país no mercado único europeu por um período de transição após a saída da UE.

A primeira-ministra britânica elaborou os seus planos de saída do bloco económico assentes na ideia de que, deixando o mercado único, Londres poderia controlar sozinha a questão migratória. Contudo, e de acordo com a Bloomberg, uma saída do mercado único – com cerca de 500 milhões de pessoas – levanta muitas questões ao nível financeiro. E, dado que a economia britânica já estará a sentir os efeitos do Brexit, muitos podem especular que a situação possa agravar-se quando a saída de fato ocorrer.

No estudo é defendido que a “perceção de que a economia britânica vai sofrer em resultado do Brexit” é um dos pontos que tem convencido muitos dos que votaram pela saída de que fizeram “a escolha errada”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
António Ramalho (Novo Banco), Luís Pereira Coutinho (Banco Postal), Nuno Amado (BCP) e António Vieira Monteiro (Santander Totta). Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Transferências bancárias imediatas sim, mas com custos

Fotografia: Leonardo Negrão / Global Imagens

Lesados do Banif pedem indemnização de 100 milhões a Portugal e a Bruxelas

As associações representativas dos taxistas marcaram para esta quarta-feira uma manifestação nacional contra a promulgação pelo Presidente da República do diploma que regula as plataformas electrónicas de transporte como a Uber, Cabify, Taxify e Chaffeur Privé. Manifestação de Lisboa.
Táxis junto à rotunda do Marquês de Pombal 
( Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens )

Plataformas de transportes ganham pouco com concentração dos taxistas

Outros conteúdos GMG
Maioria dos britânicos rejeitaria agora o Brexit