ACT

5000 candidatos admitidos para 80 vagas na ACT

Dinheiro Vivo100_Não se sente entusiamado com o trabalho-04

Autoridade para as condições do Trabalho (ACT) divulgou hoje a lista superior a 5.000 candidatos admitidos no concurso para 80 vagas

A Autoridade para as condições do Trabalho (ACT) divulgou hoje a lista superior a 5000 candidatos admitidos no concurso para 80 vagas de inspetores de trabalho, além de outros dois mil que ficaram excluídos.

Ao todo, candidataram-se àquelas 80 vagas, mais de 7.500 pessoas, tendo sido excluídas quase 2.400 por não possuírem nacionalidade portuguesa, habilitação legal e válida para conduzir veículos ligeiros, licenciatura na área da referência à qual se candidata, não ter apresentado documento comprovativo da licenciatura ou habilitação para conduzir veículos ligeiros e ainda por candidatura fora de prazo.

Dos 5.372 candidatos admitidos, a maior fatia (2.135) são da área de direito, economia (1.375) e engenharia (1.093), mas também se candidataram pessoas com habilitações nas áreas de metalurgia e metalomecânica, construção e engenharia civil, eletricidade e eletrotónica, gestão, contabilidade e fiscalidade, produção agrícola e animal, química e indústrias extrativas.

Este concurso foi lançado há um ano, em dezembro de 2016, para preencher 80 vagas em vários pontos do país e diferentes áreas de especialidade, sendo Direito e Engenharia civil as duas áreas com maior número de vagas.

Estes 80 inspetores, que se candidataram em dezembro do ano passado, vão juntar-se ao lote de 42 inspetores, contratados por concurso há cerca de dois anos ano e meio.

Nesse último mês do ano passado, a ACT fiscalizou mais de 1.100 empresas espalhadas pelo país, tendo detetado quase 1.000 situações irregulares, sobretudo ao nível dos horários de trabalho e registo do tempo de trabalho.

Estas ações inspetivas envolveram 196 inspetores que visitaram mais de 1.100 locais de trabalho espalhados por todo o país e abrangeram mais de 11 mil trabalhadores.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, da Administração e do Emprego Público, Maria de Fátima Fonseca (E), dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (2-E), do Orçamento, João Leão (2-D), e do Tesouro, Álvaro Novo (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Conheça as principais medidas do Orçamento do Estado para 2019

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (E), do Orçamento, João Leão (2-D), e o Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Dos partidos aos sindicatos, passando pelo PR, as reações ao OE 2019

Outros conteúdos GMG
5000 candidatos admitidos para 80 vagas na ACT