Deco Proteste

Mais de 6 mil consumidores exigem IVA a 6% na energia doméstica

Foto: DR
Foto: DR

Mais de 6 mil já assinaram a carta que seguirá depois para o Parlamento. Segundo a Deco, esta taxa pode permitir poupar mais de 100 euros por ano.

A Deco já encaminhou uma carta, assinada por 6 mil consumidores, e que seguirá para o parlamento com a exigência da fixação do IVA a 6% na taxa mínima de energia doméstica (eletricidade e gás natural). Os consumidores exigem ainda que a taxa seja aplicada ao gás engarrafado. A campanha intitulada de “Bastam 6” está aberta até 15 de novembro, através da página oficial da Deco.

No comunicado, a Associação de defesa do consumidor reitera que “a taxa intermédia de 13% não é suficiente para compensar todos os sacrifícios enfrentados pelos consumidores desde 2011, altura em que o Governo fez um acordo com a troika e os portugueses passaram a pagar 23% de IVA”.

Leia também: Famílias podem poupar 110 euros por ano com IVA a 6% na energia

Esta reivindicação surge na mesma altura em que começam a ser conhecidas algumas medidas previstas para o Orçamento do Estado de 2019. A exigência desta taxa também tem sido expressa por alguns partidos. É o caso do PCP e do Bloco de Esquerda, que consideram a eletricidade e o gás “bens essenciais” e, por isso, acreditam que a taxa a 6% seria a melhor forma de corresponder às condições de acesso dos portugueses à energia”.

Mais de 43% da população portuguesa não consegue manter a sua casa adequadamente aquecida, de acordo com último relatório da Comissão Europeia de novembro de 2017.

A Deco acrescenta ainda que, com o IVA a 6%, os portugueses seriam capazes de poupar 70 euros por ano em eletricidade, e 40 euros em gás natural.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa. (Fotografia: Mário Cruz/ Lusa)

Carlos Costa: “Não participei nos 25 grandes créditos que geraram perdas” à CGD

Pedro Granadeiro / Global Imagens

Reclamações. Anacom acusa CTT de divulgar informação enganosa

Paulo Macedo, presidente da CGD

CGD cumpre “com margem significativa” requisitos de capital do BCE

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Mais de 6 mil consumidores exigem IVA a 6% na energia doméstica