Mais um golpe no turismo. Bélgica mantém Portugal na lista de "alto risco"

Quem vier a Portugal em turismo e regresse à Bélgica terá de ser sujeito ou a quarentena obrigatória, a testes ou a outros controlos sanitários

É mais um golpe no turismo e na economia portuguesa. O governo da Bélgica anunciou esta quarta-feira que Portugal vai continuar no grupo de países de risco por causa da covid-19 no que respeita às "viagens não essenciais".

Assim, qualquer pessoa que venha a Portugal (em turismo ou outro tipo de visita não essencial) e queira entrar na Bélgica terá de ser sujeita a uma medida de controlo como quarentena obrigatória, ser submetida a testes ou a outros mecanismos de controlo sanitário, indica o governo belga, na atualização do status relativo a cada país da Europa.

Quem viaje em trabalho estará fora deste tipo de controlos sanitários pois é considerada deslocação essencial.

De acordo com o comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Bélgica, Portugal continua a ser um país de risco e, portanto, fica no grupo laranja juntamente com Espanha, Grécia, Chipre, Dinamarca, Reino Unido e Islândia.

As viagens para estes países são autorizadas, mas todos os que queiram depois regressar e entrar na Bélgica terão de ser controlados, podendo inclusive ter de fazer quarentena obrigatória ou auto isolamento.

Segundo fonte do gabinete da primeira-ministra (PM) belga, Sophie Wilmès, as "zonas laranja" podem ser "cidades, municípios, distritos, regiões ou países" que as autoridades belgas consideram de "alto risco para a saúde com base em critérios epidemiológicos objetivos". "Para essas áreas, a Bélgica desaconselha fortemente as viagens", diz o governo.

"Os viajantes que, no entanto, regressem dessas áreas, serão submetidos a triagem e a quarentena", refere o gabinete da PM Wilmès.

Alemanha, Áustria, França, Hungria, Itália, Luxemburgo, Letónia, Croácia, Holanda, Polónia, Roménia, Eslováquia, Suécia, Suíça, Liechtenstein, Lituânia, Estónia, Bulgária, República Checa e Eslovénia integram o grupo verde, para os quais se pode viajar livremente (ida e volta para a Bélgica, sem controlos sanitários).

Pior estão Finlândia, Irlanda, Malta e Noruega. Estes quatro países estão no grupo vermelho (risco máximo), pelo que as autoridades belgas avisam que "as viagens não são possíveis, nesta altura".

Depois de Dinamarca, Suécia, Áustria e Reino Unido terem excluído Portugal das suas listas de destinos seguros, a Bélgica decide continuar a discriminar Portugal, ainda que temporariamente.

A Bélgica é um mercado emissor de turismo importante para a economia portuguesa.

Segundo dados provisórios do Turismo de Portugal, a Bélgica é o décimo maior mercado de turismo estrangeiro: é responsável por mais de um milhão de dormidas em 2019; os belgas deixaram na economia portuguesa mais de 378 milhões de euros em receitas durante o ano passado.

O Reino Unido liderava estes rankings, com mais de 9,3 milhões de dormidas anuais, tendo dado receitas de 3,3 mil milhões de euros em 2019.

(atualizado às 17h35)

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de