Malparado na construção voltou a agravar-se

Construção continua em baixa
Construção continua em baixa

O crédito de cobrança duvidosa do sector da construção voltou a aumentar em janeiro, tendo atingido os 4,15 milhões de euros. Este é, ainda assim, o valor mais baixo desde abril de 2013.

O impacto da crise na construção fez com que este sector esteja há vários anos entre o que responde pela maior parte do crédito classificado pelos bancos como sendo de cobrança duvidosa. De acordo com a informação estatística divulgada esta terça-feira pelo Banco de Portugal o malparado das empresas atingiu em janeiro 11,9 mil milhões de euros, dos quais 34,8% são da construção.

Os dados do primeiro mês deste ano indicam ainda que o volume de malparado pesa 12,07% do total do crédito concedido, o que traduz um ligeiro agravamento face à situação verificada no final de 2013.

Este agravamento reflete, por um lado, a subida do malparado (que aumentou 211 milhões de euros naquele período) e, por outro, a redução do saldo total do volume de empréstimos ao segmento empresarial que caiu de 99,3 mil milhões em dezembro, para 98,62 mil milhões em janeiro deste ano.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Céu cinzento de Londres. Fotografia: D.R.

Portugal fora do corredor turístico britânico. Madeira e Açores entram

O ministro de Estado e das Finanças, João Leão, acompanhado pelo ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos (Foto: Mário Cruz/Lusa)

Recuperar poder de decisão na TAP obriga Estado a pagar mais

O presidente do conselho de administração da TAP, Miguel Frasquilho. (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Frasquilho: Reestruturação da TAP “não vai ser isento de dor”

Malparado na construção voltou a agravar-se