Coronavírus

Marcelo. Bruxelas deve ser “ambiciosa” na emissão de dívida europeia

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, em declarações à comunicação social 
RODRIGO ANTUNES/LUSA
O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, em declarações à comunicação social RODRIGO ANTUNES/LUSA

O Presidente da República defendeu que o "mais importante é que haja decisões europeias que tenham efeito na vida dos europeus".

A posição de Portugal é clara e Marcelo Rebelo de Sousa não percebe a hesitação dos Estados Membros da União Europeia no que toca à emissão de dívida pública conjunta para combater os efeitos do Covid-19 na economia europeia.

“Portugal é muito claro quanto isso. Vários primeiros-ministros europeus definiram uma posição. Europa devia decidir e rapidamente, ser ambiciosa na decisão, nos empréstimos, na possibilidade de cada estado não estar travado por regras respeitantes a défice e também ser ambiciosa na medida do possível em termos de emissão de dívida conjunta europeia”, disse Marcelo Rebelo de Sousa, em declarações aos jornalistas, no Palácio de Belém, em Lisboa.

“Sabemos que isso exige de todos os estados europeus e sabemos que há quem tenha dúvidas na Europa. É uma luta que temos de continuar a fazer de modo sistemático”, defende. Para o Presidente da República “o mais importante é que haja decisões europeias que tenham efeito na vida dos europeus, porque ao mesmo tempo que temos o combate na saúde temos o combate na economia e na sociedade, o combate dos salários e dos empregos e para isso que o dinheiro europeu chegue à vida das famílias e das empresas.”

“A posição portuguesa é muito clara, não percebemos a hesitação. Há países que têm uma visão muito rígida sobre esta matéria, são poucos mas existem, mas como é preciso unanimidade é o problema que tem sido enfrentado neste momento”, reforça.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Nazaré Costa Cabral, presidente do Conselho de Finanças Públicas. (João Silva / Global Imagens)

Cenário severo em 2020. Défice nos 9%, dívida em 142%, desemprego nos 13%

O primeiro-ministro, António Costa. Fotografia: António Cotrim/Lusa

Apoios à TAP formalizados “em breve” depois de consultas com Bruxelas

Foto: Fábio Poço/Global Imagens)

Costa promete linha para converter AL em arrendamento para jovens

Marcelo. Bruxelas deve ser “ambiciosa” na emissão de dívida europeia