Ensino Superior

Marcelo defende que sistema de propinas “não deu certo” e pede debate sereno

Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (Fotografia: José Coelho/ Lusa)
Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (Fotografia: José Coelho/ Lusa)

O Presidente da República voltou esta quinta-feira a explicar a sua posição sobre as propinas, defendendo que a realidade mostrou que o sistema português “não deu certo”, e pediu um debate sereno, a pensar a dez anos.

Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, “20 anos depois, a realidade mostrou que não se melhorou, que não deu certo aquilo que se pensava que iria dar certo em termos de transição do secundário para o superior, não provou bem”.

“E, portanto, há que pensar serenamente e debater serenamente, a pensar em daqui a dez anos”, acrescentou, em resposta aos jornalistas, à saída de uma iniciativa na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

No seu entender, deve-se ponderar se não é melhor “mudar de caminho e aproximar-se de países, que os há, nomeadamente os países nórdicos, que do ponto de vista de homogeneidade social, desenvolvimento humano e de qualificações vão muito mais longe” do que Portugal.

O chefe de Estado foi questionado sobre este tema tendo em conta a posição que assumiu na terça-feira, quando disse concordar “totalmente” com a ideia de se caminhar para o fim das propinas, e referiu que já a tinha explicado, através de uma nota, na quarta-feira.

No entanto, dispôs-se a repetir essa explicação, “que se resume numa palavra”, e começou por enquadrar o seu posicionamento sobre as propinas quando liderou o PSD, há 20 anos, e o PS estava no Governo: “A minha posição era de abstenção e o partido absteve-se”.

Na altura, o PSD “não apoiou a legislação que foi aprovada, mas absteve-se”, frisou.

Entretanto, “a realidade mostrou que não se melhorou, que não deu certo”, e, face a isso, “há que pensar serenamente e debater serenamente”, prosseguiu Marcelo Rebelo de Sousa.

“Esse debate está aberto, há que travá-lo calmamente, no futuro. Não há que dramatizá-lo. Não é para este orçamento, não é para amanhã, nem depois de amanhã. É apenas retirar as lições de não ter funcionado aquilo que se pensava que podia ter funcionado”, insistiu.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa, durante a inauguração das Escadinhas da Saúde rolantes, ao Martim Moniz. Fotografia: Nuno Pinto Fernandes/Global Imagens

Crescimento do turismo em 2019 é o mais baixo desde a última crise

Miguel Maya, presidente executivo do Millennium BCP.
JOÃO RELVAS/LUSA

Bancos ganharam mais de 5,2 milhões por dia

Miguel Maya, presidente executivo do Millennium BCP, durante a conferência de imprensa de apresentação dos resultados do 1.º trimestre de 2019, Lisboa, 9 de maio de 2019. JOÃO RELVAS/LUSA

BCP vai fazer uma proposta de distribuição de dividendos “muito conservadora”

Marcelo defende que sistema de propinas “não deu certo” e pede debate sereno