Marcelo: “História de Portugal é uma história de crises”

Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa

Portugal tem vivido sempre em crise, desde a sua fundação, e os portugueses criaram uma capacidade espantosa de adaptação a períodos mais difíceis, considera o professor universitário.

“A história de Portugal é uma história de crises. Nós vivemos sempre em crise, começou com o filho e com a mãe”, disse Marcelo Rebelo de Sousa, referindo-se às quezílias entre D. Afonso Henriques e a sua mãe, durante o 23º Congresso das Comunicações, em Lisboa.

“E nunca deixou de ser assim, sabemos bem: das vezes que perdemos a independência, das vezes que não perdemos a independência política mas perdemos a independência financeira, das vezes em que estivemos à beira de uma coisa e de outra”, afirmou.

“É muito interessante ler os testamentos do rei D. João II e do rei D. Manuel I onde dizem que o Estado está falido, e nós ficamos banzos porque foi o melhor período da história de Portugal”, contou o comentador político.

“E nós conseguimos a um ritmo acelerado utilizar e desperdiçar rapidamenteo o ouro da mina, o mesmo com as especiarias da India, o mesmo em relação à prata e ao ouro do Brasil, um pouco em relação aos fundos comunitários”, afirmou.

“Em qualquer dos casos, uma capacidade de adaptação espantosa perante as crises. Há uma capacidade que decorre da experiência de oito séculos, porque nos formamos e somos uma nação muito forte, muito homógenea linguisticamente, culturalmente, mesmo socialmente”, destacou Marcelo Rebelo de Sousa.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno (D), durante o debate parlamentar de discussão na generalidade do Orçamento do Estado para 2020 (OE2020), esta tarde na Assembleia da República, em Lisboa, 09 de janeiro de 2020. MIGUEL A. LOPES/LUSA

Subida do PIB em 2019 chega aos 2,2% com revisão nas exportações de serviços

GSFJ0097

Novo Banco com prejuízos de mais de 1.058 milhões de euros

O ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno (E), ladeado pelo presidente da Comissão de Orçamento e Finanças, Filipe Neto Brandão (D) na audição na Comissão de Orçamento e Finanças. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Orçamento do Estado quase pronto para seguir para Belém

Marcelo: “História de Portugal é uma história de crises”