apoios sociais

Marcelo veta alargamento do lay-off a sócios-gerentes

marcelo
O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Presidente da República devolve ao Parlamento projeto aprovado por coligação negativa no início de maio para que entre no Orçamento suplementar.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, vetou a lei que alarga os apoios do lay-off aos sócios-gerentes de micro e pequenas empresas. O chefe de Estado alega que esta medida pode levantar dúvidas de constitucionalidade e implicar aumento de despesa em relação ao Orçamento do Estado para 2020. Sugere, por isso, que a medida seja discutida na votação da proposta de lei do Orçamento suplementar.

Embora considere o alargamento dos apoios ao lay-off “socialmente relevante”, Marcelo Rebelo de Sousa entende que esta medida levanta dúvidas de constitucionalidade “por eventual violação da lei-travão, ao poder envolver aumento de despesas previstas no Orçamento de Estado para 2020, na versão ainda em vigor”, refere a nota publicada no portal da Presidência da República esta terça-feira.

Marcelo Rebelo de Sousa dá mesmo a receita aos partidos para que consigam aprovar esta medida no debate do Orçamento suplementar para 2020. “A proposta de lei do Orçamento Suplementar para 2020, que está a ser discutida na Assembleia da República pode, porventura, permitir ultrapassar essa objeção de constitucionalidade”, lembra o Presidente da República.

“O prazo para apresentação de propostas de alteração, de molde a serem objeto de debate e virtual aceitação pelo Governo, só termina amanhã [quarta-feira]”, acrescenta. “Tal caminho”, segundo Marcelo, “poderia poupar à Assembleia da República o ter de se pronunciar, novamente, sobre a matéria, confirmando o diploma, mas deixando em aberto posterior controlo sucessivo de fiscalização de constitucionalidade”.

O alargamento dos apoios ao lay-off foi aprovado dia 7 de maio no Parlamento com votos favoráveis de todos os partidos, exceto do PS (votou contra) e do PCP (abstenção). A medida permite aos sócios-gerentes terem uma ajuda semelhante aos negócios de uma só empresa (sócio e empregado em simultâneo): com um apoio máximo de 1905 euros brutos em vez de 635 euros.

(Notícia atualizada às 16h26 com mais informação)

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Gerardo Santos/Global Imagens

Economia portuguesa afunda 16,3% entre abril e junho

Visitantes na Festa do Avante.

Avante!: PCP reduz lotação a um terço, só vão entrar até 33 mil pessoas por dia

covid 19 portugal casos coronavirus DGS

Mais 235 infetados e duas mortes por covid-19 em Portugal. Números baixam

Marcelo veta alargamento do lay-off a sócios-gerentes