Previsões da Primavera

Maria Luís diz que é “de esperar medidas adicionais” em 2016

Maria Luís Albuquerque. Fotografia: Pedro Nunes/LUSA
Maria Luís Albuquerque. Fotografia: Pedro Nunes/LUSA

A vice-presidente do PSD Maria Luís Albuquerque considerou hoje que é de "esperar que haja medidas adicionais algures ao longo deste ano".

A vice-presidente do PSD Maria Luís Albuquerque considerou hoje que é de “esperar que haja medidas adicionais algures ao longo deste ano” ao comentar as previsões da Comissão Europeia, segundo as quais o défice será de 2,7% do PIB.

“A Comissão Europeia vem juntar-se a um conjunto de entidades nacionais e internacionais que já tinham alertado para a mesma situação”, continuou a ex-ministra das Finanças, no parlamento, prevendo um “agravamento” do “ajustamento estrutural” em vez de uma “redução” do mesmo.

Segundo a estimativa económica da primavera da CE, o défice orçamental de Portugal vai ser de 2,7% do Produto Interno Bruto (PIB) este ano, acima dos 2,2% previstos pelo Governo e de 2,3% em 2017, ambos cenários mais pessimistas do que o apresentado pelo executivo no Programa de Estabilidade, no qual reiterou o compromisso de reduzir o défice orçamental para 2,2% este ano e para 1,4% em 2017.

“Não há ninguém que tenha previsões parecidas com aquelas que são as do Governo português e que estão no Programa de Estabilidade para 2016, mas também com efeitos para os anos seguintes. Por isso nós dizemos que são irrealistas”, sustentou a deputada social-democrata.

Para Maria Luís Albuquerque, ao observar “todos os indicadores económicos que vão estando disponíveis”, e “um conjunto tão diverso de entidades, todas a apontar para previsões de crescimento inferiores àquelas que o Governo apresenta, estabelece-se um consenso”, o de que “as previsões do Governo são irrealistas”.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fundadores da Uniplaces na inauguração da nova sede, em 2016. Fotografia: Gerardo Santos/Global Imagens

Forbes: Fundadores da Uniplaces nos melhores sub-30 da Europa

Fernando Ulrich, presidente do BPI

Aumentos de capital na banca: A “destruição colossal” de 35 mil milhões de euros

Ricardo Salgado à saída do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) em Lisboa onde foi interrogado e constituido arguido no âmbito da Operação Marquês, Lisboa, 18 de janeiro de 2018. MIGUEL A. LOPES/LUSA

Ricardo Salgado impedido de se ausentar para estrangeiro e de contactar arguidos

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Maria Luís diz que é “de esperar medidas adicionais” em 2016