Arrendamento

APEMIP aplaude incentivos ao arrendamento. “Só é pena que tenha demorado tanto”

Fotografia: Leonel de Castro / Global Imagens
Fotografia: Leonel de Castro / Global Imagens

Luís Lima, Presidente da APEMIP, lamenta que medidas cheguem numa altura em que "a “doença” está num estado tão avançado".

O primeiro passo está dado mas o problema não “se resolverá num ápice”. É essa a mensagem da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP) em relação às medidas de incentivo e proteção do arrendamento, que foram aprovadas ontem no Parlamento.

Em comunicado enviado às redações, Luís Lima, presidente da APEMIP, sublinha que as medidas são “de louvar”, sobretudo a criação de incentivos fiscais aos proprietários que coloquem as suas casas no regime de arrendamento acessível.

“Só é pena que se tenha demorado tanto tempo a atuar”, lamenta, no entanto, o responsável.

Para o representante das imobiliárias, as medidas “pecam por tardias”, lê-se na nota.

“É preciso louvar o Governo por ter ouvido o mercado e os cidadãos e por ter finalmente assumido forte problema habitacional que tem em mãos e que exige medidas efetivas. Lamento que só agora, quando a “doença” está num estado tão avançado, tenham conseguido o consenso necessário para aprovar estas propostas, mas mais vale tarde do que nunca”.

Para Luís Lima, a criação das medidas dá um “sinal positivo” ao mercado, “mas não vamos agora acreditar que com estas medidas o problema se resolverá num ápice”.

O responsável acredita que “ainda há incentivos a explorar, nomeadamente no que diz respeito à renovação do stock habitacional acessível”.

Luís Lima diz ainda que os proprietários vão precisar de tempo para ganhar confiança e “continuarão a colocar na balança as vantagens e desvantagens de colocar os seus ativos no mercado”.

Entre as medidas aprovadas ontem na Assembleia da República está a isenção de impostos sobre os rendimentos prediais para os proprietários que coloquem os imóveis neste regime, segundo o qual a renda acessível tem de ser 20% inferior ao preço de mercado, obrigando ainda a que os inquilinos não suportem uma taxa de esforço superior a 35%.

Os proprietários poderão ainda beneficiar da redução progressiva do IRS para contratos de arrendamento superiores a dois anos. A taxa de IRS, atualmente de 28%, poderá baixar até um limite de 10%.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
APEMIP aplaude incentivos ao arrendamento. “Só é pena que tenha demorado tanto”