Meia centena de autarquias vai cobrar taxa mínima de IMI

ng3120513

Das 71 autarquias que já fixaram a taxa do imposto municipal
sobre imóveis (IMI) que vai ser cobrado às famílias e empresas a
partir de abril do próximo ano, meia centena optou por manter ou por
reduzir a taxa para o patamar mínimo possível: 0,3%.

Veja aqui o mapa do IMI e saiba quanto vai ter de pagar em 2014

Os dados já reportados à Autoridade Tributária e Aduaneira
indicam que, além de a maior parte estar a fixar o IMI no valor mais
baixo, muitas autarquias estão também a optar por desagravar o
imposto. Neste grupo que avançou com descidas integram-se 17
municípios, nomeadamente o Porto e Ponte da Barca (que reduziram de
0,4% para 0,36%) ou Fafe (que passou de 0,4% para 0,3%).

Apenas Alfândega da Fé agravou o IMI de 0,4% para 0,5%. Uma
subida justificada pela adesão deste município ao Programa de Apoio
à Economia Local (PAEL), que serve para ajudar as câmaras a
regularizar as dívidas em atraso. O PAEL tem como condição a
fixação dos impostos municipais pelos valores máximos.

As taxas de IMI que as autarquias estão a fixar para 2013
constarão da conta do imposto que começará a chegar a casa dos
seus proprietários no próximo ano. Os dados já disponíveis
indiciam que a maior parte as manterá inalteradas ou promoverá
descidas e que muitas ficarão próximas dos patamares mais baixos.

Esta situação – que acaba por quebrar com a tradição de anos
anteriores em que a regra era “encostar” o IMI à taxa mais alta
– reflete os efeitos do processo geral de avaliação que aumentou o
valor patrimonial dos cerca de 4,9 milhões de imóveis alvo desta
avaliação e que trouxe mais receita. “A reavaliação das casas
fez disparar os valores patrimoniais e mesmo com taxas mais baixas,
as autarquias estão a receber mais dinheiro”, acentua Tiago Caiado
Guerreiro. Mas não só. Além do “custo político” que é
colocar o IMI no seu patamar mais alto (0,5%), este fiscalista
acredita que esta opção das autarquias terá também por objetivo
evitar que as penhoras disparem. “Os autarcas sabem que há muitas
famílias que simplesmente não têm dinheiro para pagar o IMI e isto
pode gerar problemas sociais gravíssimos.”

A conjugação da cláusula de salvaguarda (que ainda terá
efeitos no IMI a cobrar em 2014) com esta suavização das taxas pode
traduzir-se em pagar mais ou menos umas centenas de euros para o
proprietário do imóvel. É que, numa casa avaliada em 120 mil
euros, uma taxa de 0,3% implicará uma conta de 360 euros de imposto.
Mas se a autarquia onde o imóvel está localizado decidir colocar a
fasquia nos 0,5%, o valor do IMI dispara para os 600 euros.

Apesar de no próximo ano ainda estar em campo a cláusula de
salvaguarda (que impede que o imposto suba mais de 75 euros face ao
que foi pago no ano passado ou um terço da diferença face ao devido
em 2011), as previsões do Governo apontam para uma acentuada subida
da receita do IMI. De acordo com o Orçamento do Estado, o IMI deverá
este ano render 1359 milhões de euros e 1530 milhões em 2014.

Este ano, pela primeira vez permitiu-se que o IMI pudesse ser pago
em três prestações (se o valor total exceder os 500 euros), mas há
pessoas que estão este mês a ser confrontadas com notas de
liquidação que “recalculam” o imposto com base no novo VPT
entretanto apurado pelas Finanças.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A Loja das Conservas tem um restaurante para promover o consumo deste produto. Fotografia: Leonardo Negrão/Global Imagens

Turistas fazem disparar vendas de conservas portuguesas

Miguel Gil Mata,  presidente executivo, da Sonae Capital, nos estúdios da TSF.
Foto: Reinaldo Rodrigues/Global Imagens

Sonae reduz portefólio Imobiliário e investe em Energia

Fotografia: DR

Elliott quer EDP nas renováveis. Mas tem forçado vendas nos EUA

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Meia centena de autarquias vai cobrar taxa mínima de IMI