digital

Melhor escola de programação chega ao país financiada por mecenas

42

Santander, Vanguard Properties e Ming C. Hsu são parceiros fundadores que trazem a Escola 42 para Portugal. Vagas têm inscrição subsidiada a 100%.

É considerada a melhor escola de programação do mundo, com uma taxa de empregabilidade que se aproxima dos 100%, e chega este ano a Lisboa, com o patrocínio de mecenas de peso que vão subsidiar a 100% os cursos, assegurando um financiamento de 7 milhões de euros para os próximos cinco anos para cobrir os custos da operação, de forma a oferecer o programa sem custos para os alunos.

“A pandemia veio reforçar a certeza de que o futuro da nossa economia depende da competência e da inovação digital e Portugal tem um défice muito grande na formação de profissionais de qualidade, pelo que a 42 Lisboa nos parece absolutamente urgente”, justifica Pedro Santa Clara, diretor da escola, professor na Nova SBE e cara da equipa da Shaken not Stirred, que lidera o projeto educativo.

Em Portugal, Banco Santander, Vanguard Properties e a empresa sino-americana Ming C. são os parceiros fundadores da Escola 42, criada há sete anos em Paris e já replicada em 19 cidades no mundo, estando prevista a abertura de outras 11 neste ano, além de Lisboa.

A Comissão Europeia estima que existam no país 15 mil vagas para informáticos por preencher em 2020 e estes mecenas juntaram-se ao projeto da Escola 42 – cujos alunos têm sido recrutados por todo o tipo de empresas, das Fortune 100 a startups, incluindo LinkedIn, Uber, XBrain, Facebook, Samsung ou Microsoft – precisamente para ajudar a responder a essas necessidades.

“Em 2019 assistimos à saída de Portugal da Zalando, uma das maiores plataformas europeias de moda online, depois de ter investido 3 milhões no primeiro ano de operações e só ter conseguido 20 dos 150 profissionais que precisavam de contratar”, lembra Pedro Santa Clara, assumindo a ambição de dar um “contributo importante na formação digital avançada”. A razão de ser gratuita, financiada por mecenas, à semelhança das outras Escola 42, é “garantir que esta formação é acessível a todos, selecionando os alunos pela sua motivação e não pela sua capacidade económica”, não sendo exigido qualquer background académico aos candidatos.

O responsável vê nesta iniciativa, que acredita capaz de criar uma onda de mudança, um sinal de confiança no futuro “para encorajar e mobilizar a sociedade portuguesa”. “Na 42 Lisboa os alunos aprendem a aprender, a encontrar soluções para problema complexos. O programa não desenvolve apenas as competências técnicas de um programador, mas também a capacidade de superação, de resolver problemas complexos e de trabalhar em equipa, num modelo de ensino que replica o ambiente profissional”, explica ainda, considerando que a proximidade às empresas é “o melhor trunfo desta formação”.

Como funciona

Com inscrições abertas a partir de hoje, os primeiros 150 alunos serão selecionados entre outubro e janeiro para o programa que arranca em fevereiro, privilegiando um método de ensino pedagogicamente inovador que promove uma aprendizagem sem o formato tradicional das aulas, sem horários e gamificada. Aos candidatos é apenas exigida a idade mínima de 17 anos, sendo encorajada a inscrição de alunos mais velhos que procuram uma mudança de carreira e não sendo necessária formação prévia ou experiência em programação.

“A motivação principal dos nossos parceiros é criar a oportunidade para desenvolver talento: uma aposta num modelo de educação inclusivo, disruptivo e tecnológico”, explica Santa Clara, assumindo uma preocupação em garantir a melhor preparação para o mundo digital que leva mecenas e organizadores do projeto educativo a trabalhar em conjunto “para oferecer oportunidades de trabalho e garantir que o currículo da escola permaneça sempre relevante à medida que a tecnologia evolui”.

O recrutamento

Conforme explicam os responsáveis pela entrada da Escola 42 a Portugal, o processo de candidatura às primeiras 150 vagas é feito online, envolvendo dois testes que avaliam o raciocínio lógico e a capacidade de trabalhar sob pressão. “O primeiro teste dura 10 minutos, seguido de outro teste de duas horas e 48 horas depois os candidatos sabem se passam ou não à fase seguinte – um bootcamp de um mês conhecido como a Piscine. Quem ‘aprender a nadar’ está pronto a entrar no programa 42.”

Uma vez selecionados, os alunos têm até cinco anos para completar os 21 níveis do programa (o habitual é concluí-lo em 3,5 anos, incluindo dois períodos de estágio de quatro a seis meses), que se concluem através do desenvolvimento e conclusão de projetos individuais ou de grupo avaliados pelos colegas. “Todos os alunos devem reservar algum tempo da semana para avaliar projetos dos colegas, sendo assim promovido o espírito de comunidade, a responsabilidade pelo outro e a aprendizagem entre pares”, explicam os responsáveis.

O campus da 42 Lisboa está aberto 24 horas por dia, sete dias por semana, de forma a adaptar-se aos horários e planos de desenvolvimento individuais dos alunos.

A Escola 42 em quatro passos

Num documento simples, a Escola 42 explica como se processa toda a formação que oferece, nos seus vários estágios até se concluir.

“1. Candidatura Online: O processo envolve dois testes, um de 10 minutos e outro de 2 horas, que avaliam o raciocínio lógico e a capacidade de trabalhar sob pressão. Não é preciso qualquer conhecimento de programação. Em 48 horas os candidatos sabem se passam ou não à fase seguinte. Os testes online estão disponíveis 365 dias por ano permitindo a qualquer pessoa candidatar-se quando assim o entender. Os candidatos que passam os testes online são convidados para uma visita à escola (check-in) para conhecer o modelo 42, a Piscine, a equipa e outros candidatos.

2. Piscine
Bootcamp de 28 dias, extremamente intensivo, no qual é promovida a aprendizagem autónoma: são apresentados vários exercícios aos candidatos nos quais terão que desenvolver soluções, com aprendizagem online ou com os colegas. Para passar para o exercício seguinte, os alunos têm que submeter o que já desenvolveram para avaliação, por outros alunos. Por cada etapa ultrapassada os alunos recebem pontos: serão estes que no final irão definir se os candidatos são ou não selecionados para a 42. Por ser intensa e exigente, a Piscine promove novamente uma auto-seleção dos alunos que, durante este percurso, percebem sozinhos se têm ou não o perfil, dedicação e compromisso indicados para a 42.

3. O curso
Uma vez inscritos na 42, os alunos têm um período máximo de cinco anos para completar os 21 níveis do programa. O programa está dividido em quatro blocos: Core, com sete níveis com programa comum desenhado pela 42, no qual aprendem as bases da programação; Internship, estágio de quatro a seis meses para terem uma experiência real no mercado de trabalho e assim melhor descobrirem as suas competências e interesses; Especialização, em que os alunos têm a liberdade de escolher a área em que se querem especializar (ex: Data Analytics, Cybersecurity, Web Development, Machine Learning, IOT); e Final Internship, estágio de seis meses na área em que se especializou.

A 42 tem uma vasta rede internacional com mais de 25 escolas em mais de dez países, sendo possível para os alunos fazer um período do seu curso numa das escolas da rede. Adicionalmente, os parceiros da 42 podem divulgar ofertas de trabalho para os alunos de toda a rede da 42, e não apenas para os do campus da sua cidade/país.

4. Placement
Os alumni 42 rapidamente são recrutados por todo o tipo de empresas, das Fortune 100 às startups, sendo opção de muitos deles começar o seu próprio negócio. Em Silicon Valley, entre os top recruiters destacam-se: LinkedIn, Uber, XBrain, Facebook, Scality, Samsung, Microsoft, Sigma.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Gerardo Santos/Global Imagens

Economia portuguesa afunda 16,3% entre abril e junho

Visitantes na Festa do Avante.

Avante!: PCP reduz lotação a um terço, só vão entrar até 33 mil pessoas por dia

covid 19 portugal casos coronavirus DGS

Mais 235 infetados e duas mortes por covid-19 em Portugal. Números baixam

Melhor escola de programação chega ao país financiada por mecenas